Natal não pode ficar de fora da exploração de turismo náutico

O turismo náutico promove a hotelaria, construção civil e imobiliária, indústria náutica, trabalho, renda, esportes e formação e qualificação de mão de obra.

Gerlane Lima, com informações da Assessoria,

turismo_m1Natal não pode ficar de fora da exploração de turismo náutico. Para o consultor baiano, José Raimundo Zacarias, da Oceanus Náutica que veio ontem a Natal a convite do secretário de Turismo, Fernando Bezerril, fazer conferência sobre o tema “Economia Náutica, Potencialidade e Perspectivas” no auditório do Centro de Educação da UFRN, Natal tem todas as condições de receber não apenas uma marina, mas duas três, quanto forem necessárias.

“Eu fico feliz por Natal ter projetos nessa área, nós levamos 10 anos para implantar nossas marinas na Bahia, onde atualmente temos 30, sendo cinco com formato de clubes. Natal, localizada na esquina do continente, tem uma posição estratégica”, assegura José Zacarias. A cidade está atrasada nessa iniciativa e deve ganhar tempo para ter os projetos de suas marinas em execução. 

Raimundo Zacarias falou para uma plateia de estudantes de turismo, empresários do trade e interessados no segmento náutico. Segundo ele, 60 mil veleiros navegam pelo mundo em busca de novas paradas, sendo que desse total, 20 mil são franceses que ficam fixos no Caribe e cinco mil passam o ano fazendo cruzeiros. “Natal não pode ficar de fora desse mercado, estou sentindo que as autoridades, principalmente do município, estão afinadas para conseguir materializar a implantação de uma Marina na cidade, porém sem força política dificilmente se conseguirá este intento”. Ressaltou ainda que a disposição do prefeito de Natal, Carlos Eduardo para levar adiante a construção de uma Marina é uma demonstração que este conhece bem o efeito multiplicador de um investimento desse porte. Nada também como falar para os universitários que estarão se graduando em turismo, para que estes conheçam este segmento pouco que é pouco explorado no Brasil.

turismo_m2Para o consultor, o turismo náutico promove a hotelaria, construção civil e imobiliária, indústria náutica, trabalho, renda, esportes e formação e qualificação de mão de obra, além de gerador de tributos. “Turista que chega de barco, gasta cinco vezes mais do que o de avião. São gastos com comidas, combustível, água, limpeza do barco, entre outros”.

Mas para Raimundo Zacarias o grande negócio de uma cidade conseguir implantar sua marina, está em receber regatas. “Este é um mercado milionário, que ninguém imagina os milhões e milhões que rolam. Salvador está conseguindo se inserir neste roteiro, mas estamos ainda numa fase de maturação”.

Segundo o secretário, Fernando Bezerril, o objetivo de patrocinar a vinda de Raimundo Zacarias fazer palestra sobre o turismo náutico é provocar e criar uma massa crítica de pessoas na comunidade natalense que precisam se envolver nesse projeto, como fator de desenvolvimento para a economia potiguar. “Natal não pode ficar de fora de um mercado que receberá mais turistas e competições internacionais, mas também será formador de mão de obra e gerador de emprego e renda, não hesitamos em realizar eventos desse porte que vai ajudar na adesão deste projeto”, disse Fernando Bezerril.

A+ A-