Nilson Queiroga afirma que paralisações dos rodoviários são arbitrárias

Consultor técnico do Seturn diz que Sintro descumpre decisões judiciais e decreto estadual.

Flávio Oliveira,
Reprodução
Consultor-técnico do Seturno, Nilson Queiroga, também critica a Prefeitura do Natal e disse que transporte público está à beira do colapso.

O consultor-técnico do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos (Seturn), Nilson Queiroga, afirmou nesta segunda-feira (11) que as paralisações promovidas pelos trabalhadores rodoviários é ilegal e arbitrária. “As paralisações são arbitrárias. Elas estão acontecendo contrariando a lei de greve. A população não é avisada, nem as empresas. Além do mais, existem decisões judiciais impetradas pelo Seturn proibindo do Sintro de paralisar as empresas. Existem decisões nesse sentido, mas infelizmente está havendo essas arbitrariedades, contrariando o decreto estadual de não promover aglomerações”, declarou.

Queiroga também fez duras críticas à Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU) e Prefeitura do Natal e diz que o sistema de transporte público da capital está bem próximo de entrar em colapso. “Essas paralisações que estão acontecendo pelo Sintro vêm confirmar o alerta do Seturn há bastante tempo de que o sistema de transporte de Natal caminha para o colapso se nenhuma atitude for tomada por parte da Prefeitura do Natal. Infelizmente, a Secretaria de Transporte vem fazendo ouvido de mercador. Sequer responde às solicitações do Seturn e nenhuma atitude tomou até agora para evitar este colapso”, disse.

Rodoviários realizam desde a semana passada protestos, com enfileiramento dos ônibus, sem circular por determinado período. A categoria cobra o pagamento da database e os pagamentos do vales alimentação e planos de saúde em pelo menos duas empresas do setor.

Além da revogação do decreto da Prefeitura que aumentava o valor da tarifa, o consultor técnico justifica os atrasos e a inadimplência das empresas com a queda abrupta de receita e demanda pelo serviço. “A Prefeitura decretou a limitação de 30% da frota em operação, decretou também o transporte de passageiros apenas sentados e isso aumentou o prejuízo das empresas. Logo no dia seguinte exigiu mais 46 reforços para garantir o transporte de passageiros apenas sentados e hoje estamos operando 45% da frota para transportar apenas 30% do que se transportava nos dias normais”, explicou Queiroga

“Diante dessa crise e da omissão total da Prefeitura do Natal, através da Secretaria de Transporte, as empresas não têm como arcar com seus compromissos, estão com os salários atrasados, foi negociado para terminar de pagar os salários de abril no dia 15 de maio e não tem como garantir a database dos trabalhadores em 1º de maio. Então até abril as empresas pagaram os benefícios, mas já comunicou ao sindicato que a partir de maio não tem como garantir esses benefícios que eles estão cobrando e exigindo”, afirmou.


Confira o vídeo:


Tags: Seturn Sintro Transporte público
A+ A-