Impostos e crise prejudicam faturamento das empresas de ônibus, diz Nilson Queiroga

Consultor técnico do Seturn afirmou que número de passageiros reduziu cerca de 10%.

Rafael Araújo ,
Ricardo Júnior/Nominuto
Nilson Queiroga acredita que o faturamento das empresas têm sido prejudicado por causa da crise e da alta carga tributária.
A discussão acerca do preço da passagem de ônibus de Natal segue sendo alvo de impasse entre a Sindicato dasEmpresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município (Seturn) e a Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU). Segundo o consultor técnico da Seturn, Nilson Queiroga, os impostos e a crise econômica têm prejudicado os empresários.

“A alta carga tributária e a crise econômica estão prejudicando o faturamento das empresas de ônibus, que perderam cerca de 10% dos passageiros por causa desses dois fatores”, explica.

De acordo com Nilson Queiroga, um novo aumento no preço da tarifa estava previsto para maio. Apesar disso, a tarifa não foi reajustada e os rodoviários ganharam um aumento de cerca de 10% no salário – o que acabou reduzindo o faturamento dos empresários.

“As empresas dependem apenas de receitas das tarifas e essa queda de braço com a STTU vem acontecendo há cerca de três anos. O aumento aos rodoviários foi concedido após a paralisação e agora algo precisa ser feito para compensar as perdas. O mínimo seria que a tarifa fosse reajustada de acordo com a inflação, só que a secretaria projetou um aumento de apenas 4,4%”, argumenta.

O consultor explica que o valor da passagem de Natal é uma das menores do país, mesmo com a alta cobrança de impostos. “Nós temos uma das tarifas mais baratas e isso porque a nossa cidade é uma das poucas que não tem subsídio de impostos. Em São Paulo, por exemplo, um terço da tarifa é subsidiada”, explica Queiroga. 

Tags: Natal Ônibus Passagem Seturn STTU Tarifa
A+ A-