Vamos garantir direitos, mas sem barganha, diz Robinson

Governador falou sobre crise no sistema prisional em entrevista coletiva no final da manhã de hoje, no Ciosp.

Cintia da Hora e Rafael Araújo,
Fladson Soares/Nominuto
Robinson iniciou a coletiva dizendo que o governo não vai negociar com os presos.

O governador Robinson Faria concedeu entrevista coletiva na manhã de hoje (16), no Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (CIOSP), para falar sobre a crise no sistema prisional do estado, e ainda anunciou  medidas para conter a onda de violência.

Além da secretária de Segurança Pública do Estado, Kalina Leite, estiveram presentes o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Cláudio Santos, o procurador-geral de Justiça, Rinaldo Reis e também o presidente a OAB, Sérgio Freire.

Robinson iniciou a coletiva dizendo que o governo não vai negociar com os presos. “Não vamos fazer nenhum tipo de concessão. Vamos garantir direitos, mas sem barganha”, disse.

robinson-h

O governador ainda ressaltou que o déficit no sistema penitenciário é de quatro mil vagas e não é um problema recente. Robinson também assumiu o compromisso para a construção de novas unidades prisionais, e já está providenciando os recursos. “Já vamos cortar gastos em todos os lugares. O nosso estado não pode viver em pânico. Estamos mobilizando todos os esforços possíveis e imagináveis para recuperar o sistema”, diz.

O desembargador Cláudio Santos afirmou que o Poder Judiciário está pronto para colaborar. “Nós temos que acalmar os ânimos do sistema penitenciário. Exortamos todos os juízes do Estado para ajudar a manter a ordem. Ela deve ser mantida a qualquer custo”, disse.

O procurador-geral de justiça, Rinaldo Reis, destacou que o que aconteceu ontem na cidade revela que o crime é orquestrado, e que o Ministério Público não poderia estar ausente nesse momento.

KALINA-H

A secretária Kalina Leite, que desde ontem também responde interinamente pela Secretaria de Justiça e Cidadania (SEJUC), enfatizou as palavras de Robinson. “Os direitos dos presos estão garantidos, mas não vamos admitir de forma alguma que os apenados intervenham na administração”, reforça.

Providências tomadas

- Desde as 17h de ontem (16), foi instalado o Gabinete de Gestão Integrada do RN (GGI), embora as reuniões de gestão de crise estejam ocorrendo desde o primeiro dia de rebelião.

- O governo decretou Estado de Calamidade abrangendo exclusivamente o Sistema Prisional;

- Estado garantiu apoio do Ministério da Justiça. Cerca de 200 homens da Força Nacional devem desembarcar na capital potiguar.

- Dois helicópteros – sendo um da Força Nacional e ou da Polícia Rodoviária Federal – farão o patrulhamento aéreo.

- Quatro ônibus da Secretaria de Educação foram colocados à disposição da Força Nacional de Segurança Pública.

- Já foram transferidos 89 presos do CDP Ribeira para o CDP Parelhas, até então sem apenados.

- A polícia militar prendeu os suspeitos de atear fogo em ônibus de Natal, além de outros cinco acusados de cometer crimes na região metropolitana.

colet-H

Ocorrências reais

- Um ônibus coletivo foi incendiado parcialmente no bairro do Vale Dourado, por volta das 16h30, sem a presença de vítimas.

- Outro ônibus foi incendiado, desta vez totalmente, na Avenida Hermes da Fonseca, por volta das 19h30..

- Um terceiro ônibus coletivo foi totalmente incendiado, por volta das 20h30, no bairro Golandim, em São Gonçalo do Amarante/RN

- Na Avenida Amintas Barros, outro veículo foi incendiado. Desta vez, uma viatura da Polícia Militar que estava em manutenção na oficina.

- Um micro-ônibus também foi alvo de um atentado, por volta das 21h30min, em Parnamirim, na BR 101. 

- O último veículo incendiado foi um ônibus coletivo, no Parque Industrial, em Parnamirim. Já Eram quase 11h da noite.

- No início da noite, na comunidade de Alcaçuz, em Nísia Floresta, foram aprendidos 136kg de maconha e 1kg de Crack, sendo conduzidos 5 presos para lavratura do flagrante.

- Seguindo um desdobramento da ocorrência em Alcaçuz, foi localizado no bairro das Rocas, em Natal/RN, um foragido que também foi conduzido à delegacia para procedimentos.

- Não há registro de fuga dos presídios, nem de arrastões em universidades e paradas de ônibus.

Tags: segurança
A+ A-