Geraldo Ferreira aponta queda nos atendimentos de covid-19 no São Lucas

Presidente do Sindicato dos Médicos disse que RN já ultrapassou pico da pandemia.

Rafael Araújo,
Divulgação / Redes sociais
Geraldo Ferreira revela queda de atendimentos da covid-19 no Hospital São Lucas e sinaliza redução no número de novos casos no RN.

SELO-CORONA-100O presidente do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte, Geraldo Ferreira, gravou um vídeo para as redes sociais nesta sábado (27), apontando uma tendência de queda nos números da pandemia do novo coronavírus no Estado.

O médico ressaltou os dados do Hospital São Lucas para mostrar a queda nos índices da covid-19 no RN. “Os números do hospital mostram uma tendência ansiosamente esperada. O pico de atendimento por volta dos dias 15 e 18 de junho foi de 165 pacientes suspeitos de Covid em 24 horas. Nesse mesmo período, a grande demanda de pacientes e superlotação provocou fechamento temporário da urgência no São Lucas e em outros hospitais do sistema privado. O quadro mudou muito na última semana. Em consonância com a ideia de que tivemos o pico em Natal por volta dos dias 10 a 18, houve uma queda quase pela metade de pacientes, com números de atendimento em torno de 60 a 80 pacientes nas 24h. Na nossa visita dia 25 pela manhã o pronto-socorro estava relativamente vazio. Os dados são esperançosos, mas as UTIs ainda estão lotadas, com 19 pacientes internados, sendo 10 em ventilação mecânica.”, revelou

Geraldo Ferreira destacou ainda que um esforço concentrado agora poderá levar a um equilíbrio na assistência e, a se confirmar no setor público a queda de procura que já foi detectada no setor privado, poderemos ter nas próximas semanas a esperada queda no pico e as pessoas com mais chances de serem tratadas e recuperadas.

“A visita à Casa de Saúde São Lucas mostrou a excelência de seus equipamentos e instalações, e a alta qualidade de seus recursos humanos, que sempre diferenciaram a instituição. A queda no número de atendimentos no pronto-socorro pela metade acende a esperança de que o pico da Covid pode estar sendo superado”, concluiu o médico.

Ver essa foto no Instagram

SÃO LUCAS REFLETE RECUO DA COVID-19 – Visita feita à Casa de Saúde São Lucas, um dos mais tradicionais hospitais privados de Natal, mostrou o quadro geral da pandemia no momento e sinalizou uma tendência ansiosamente esperada. O Hospital de 154 leitos suspendeu procedimentos cirúrgicos eletivos, viu os pacientes de outras doenças sumirem do pronto-socorro, enquanto crescia o número de suspeitos de Covid. O pico de atendimento por volta dos dias 15 e 18 de junho foi de 165 pacientes suspeitos de Covid em 24 horas. Nesse mesmo período, a grande demanda de pacientes e superlotação provocou fechamento temporário da urgência no São Lucas e em outros hospitais do sistema privado. O quadro mudou muito na última semana. Em consonância com a ideia de que tivemos o pico em Natal por volta dos dias 10 a 18, houve uma queda quase pela metade de pacientes, com números de atendimento em torno de 60 a 80 pacientes nas 24h. Na nossa visita dia 25 pela manhã o pronto-socorro estava relativamente vazio. Os dados são esperançosos, mas as UTIs ainda estão lotadas, com 19 pacientes internados, sendo 10 em ventilação mecânica. Caso houvesse nova demanda de UTI, poderia ser suprida temporariamente na sala de estabilização que tem dois respiradores. O quadro do São Lucas reflete uma tendência de queda de procura de pacientes suspeitos de Covid que também se constata em outros hospitais privados. No setor público a rede insuficiente e minimamente ampliada ainda enfrenta pressão. A abertura de leitos de enfermaria e de UTI já existentes nos hospitais próprios da rede, que esperam recursos humanos e insumos para serem ativados, poderão promover um suporte que descongestione as UPAs. A falta de leitos públicos de enfermaria e de UTI foi responsável pela chegada aos hospitais públicos de pacientes em estado extremamente grave, com chance de recuperação reduzida. As medidas de isolamento social para que a rede pública fosse equipada e ampliada não tiveram do setor público a resposta adequada. (Continua nos comentários)

Uma publicação compartilhada por Sindicato dos Médicos do RN (@sinmed.rn) em 25 de Jun, 2020 às 10:58 PDT


Tags: Saúde
A+ A-