“Dores nas articulações diferenciam chikungunya da dengue”, diz especialista

Subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica, Alessandra Luchessi falou sobre as doenças.

Rafael Araújo,
Equipe Nominuto
Subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica, Alessandra Luchessi falou sobre a chikungunya em entrevista na manhã desta quarta-feira.
A febre chikungunya, transmitida pelo mosquito aedes aegypti pode ser muitas vezes confundida com a dengue, outra doença transmitida pelo aedes. Em entrevista nesta quarta-feira (25) no jornal 96, a subcoordenadora de Vigilância Epidemiólogica, destacou essa confusão dos sintomas e falou sobre a principal diferença entre as patologias, além de ter apresentado dados de notificações no Rio Grande do Norte.

“O que mais diferencia da dengue é a dor nas articulações, que é muito presente em pacientes com chikungunya. Inclusive, o paciente em estado crônico da doença pode sentir essas dores por anos”, explica Alessandra Luchessi.

De acordo com a especialista, a chikungunya é uma doença considerada nova no Brasil, pois chegou aqui em meados de 2015. “Desde então grande parte desses casos podem ter sido confundido com a dengue, que é uma doença já conhecida há mais tempo”, revela.

Durante a entrevista, ela ainda falou sobre o alto número de casos notificados da doença no Estado. Neste ano, foram 110.627 casos prováveis de chikungunya no Brasil, sendo 8.899 deles no Rio Grande do Norte – o que deixou o RN na segunda colocação em notificações a nível nacional.


Tags: Saúde
A+ A-