Brasil pode atingir 100 mil casos de contaminações de coronavírus em duas semanas

Avanço dos números, porém, está diretamente associado à capacidade de testes do governo.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Shannon Stapleton/Reuters
Governo federal enfrenta dificuldades para atender demanda de testes para o novo coronavírus.

SELO-CORONA-100Mantido o atual ritmo de crescimento de casos de contaminações por coronavírus no País, o Brasil pode atingir a marca de 100 mil pessoas com covid-19 ao fim das duas próximas semanas.

Os primeiros cem casos de contaminação do País foram alcançados em 17 dias, entre 26 de fevereiro e 14 de março. Apenas sete dias depois, esse número foi multiplicado por dez e chegou a 1 mil pessoas contaminadas, em 20 de março. Nos 14 dias seguintes, o número cresceu dez vezes novamente, chegando a 10 mil pessoas com coronavírus.

Nesta quinta-feira (9), o Ministério da Saúde anunciou que o número total já ultrapassa 15 mil pessoas. “Temos visto um crescimento médio de 20% sobre o dia anterior”, disse o secretário-executivo da pasta, João Gabbardo. “Vamos ver como ficará a curva. É preciso ver como essa média vai se comportar.”

O avanço dos números oficiais, porém, está diretamente associado à capacidade de testes do governo, a qual tem enfrentado extrema dificuldade de atender a demanda. Estimativas dão conta de que, devido ao grande número de pessoas que já contraíram a doença e ainda não foram testadas (subnotificações) – uma média de sete a nove casos para cada registro oficial –, o Brasil já teria hoje mais de 100 mil pessoas com covid-19, só não teria isso oficializado.

Só em São Paulo, o governo estima que se forem respeitadas todas as medidas de restrição e isolamento pela população, o número de óbitos deve chegar a 111 mil. Se nada for respeitado, pelo menos 277 mil pessoas morrerão em decorrência da covid-19 nos próximos seis meses.

Alerta

Nesta quinta-feira, o Ministério da Saúde também reforçou o alerta sobre a necessidade de isolamento social nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Manaus e Brasília. As cinco capitais registram os maiores índices de casos de contaminação e quadro vulnerável para expansão acelerada de casos e óbitos nas próximas semanas.

Coincidentemente estas cidades apresentam um afrouxamento das quarentenas nos últimos dias, com aumento de circulação de pessoas nas ruas e abertura de comércios, apesar de decretos estaduais proibirem o funcionamento de boa parte das operações.

Gabbardo disse que a expectativa de pico das contaminações continua a ser esperada para o fim de abril e o início de maio. "Nesses locais que estão com sinal vermelho, com aumento considerável de casos, temos de dar a máxima atenção ao isolamento. Isso não significa manter todos os municípios do Estado com o mesmo comportamento, mas as cidades em situação mais crítica", comentou.

Tags: coronavírus
A+ A-