Acidentes com medicamentos lideram atendimentos do Centro de Toxicologia em 2016

Foram registrados 608 casos de intoxicações, sendo a maioria deles por medicamentos.

Da redação,

O Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox), que funciona no segundo andar do prédio da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), divulgou o balanço dos atendimentos realizados no ano de 2016. Foram registrados 608 casos de intoxicações, sendo a maioria deles (241) por medicamentos.

Entre os atendimentos realizados, o segundo maior número vem das intoxicações por acidentes com animas peçonhentos/venenosos (103), seguido pelas intoxicações por agrotóxicos (44). Também foram registrados acidentes com produtos químicos residenciais ou industriais (31) e produtos de uso veterinário (30).

Ainda foram prestadas orientações para acidentes com saneantes de uso domiciliar (domissanitários), com 29 atendimentos; uso de raticidas (16), cosméticos e produtos de higiene pessoal (13) e inseticidas de uso doméstico (7).


O Ceatox serve de referência na área de toxicologia clínica e mantém um serviço de plantão 24h, prestando informações específicas em caráter de urgência a profissionais de saúde e de caráter educativo e preventivo junto à população, prestando esclarecimentos em relação à prevenção, primeiros socorros e orientações necessárias em casos de exposição a um agente tóxico através dos telefones: 0800 281 7005 / 3232-7969 ou 3232-4295. Com a disponibilização do número de telefone gratuito, em março do ano passado, o Ceatox conseguiu ampliar o número de atendimentos, passando de 371 em 2015, para 608 em 2016.

De acordo com Osmar Policarpo, coordenador do Ceatox, a equipe atua na prevenção, controle e tratamento adequado dos acidentes, riscos e danos de natureza toxicológica provocados por medicamentos, saneantes, animais peçonhentos, raticidas, plantas tóxicas, cosméticos, produtos químicos industriais, agrotóxicos, poluentes industriais e quaisquer outras substâncias potencialmente agressivas ao ser humano. “O Centro também acompanha a evolução clínica dos casos atendidos por meio telefônico até a resolução final”, explicou.

Tags: Acidentes medicamentos
A+ A-