Veja destaca guerra síria como a maior tragédia humanitária de nosso tempo

Aylan Shanu viajava com a família tentando fugir do conflito, quando o barco emborcou.

Da redação,

veja-mVeja

O bote de 5 metros de comprimento em que o menino sírio Aylan Shanu viajava com os pais e o irmão mais velho emborcou a caminho da Ilha de Cos, na Grécia. Há uma pequena chance de que a morte do menino sírio que as ondas levaram a uma praia na Turquia marque o limite máximo do descaso com a maior tragédia humanitária de nosso tempo.
Aylan tinha 3 anos. Todos eles vividos sob a guerra civil síria, um conflito do século XXI mais bárbaro e desumano do que os narrados por Heródoto, que tiveram lugar há mais de 2 500 anos, quando inexistiam conceitos como direitos humanos, respeito à vida ou proteção às crianças. Hoje esses conceitos são automaticamente recitados pelos homens públicos. Aylan morreu sem desfrutar nenhum deles.

Investigação

Uma investigação iniciada numa pequena casa de câmbio devastou o partido político que esteve no governo de Portugal durante seis anos, e levou à cadeia figurões considerados acima de qualquer suspeita. As semelhanças com o petrolão vão muito além de coincidências.

Confira mais em: veja.abril.com.br


epoca-mÉpoca

A propina atômica do PMDB em Angra 3. A Procuradoria-Geral da República obtém evidências de que os senadores Renan Calheiros, Edison Lobão e Romero Jucá receberam propina de empreiteiras pelo contrato da usina nuclear.
O almirante Othon, presidente da Eletronuclear, que fora indicado ao cargo pelos senadores do PMDB, foi direto: “Vocês estão muito bem qualificados, vão ganhar, então vocês vão precisar contribuir para o PMDB”. Estava verbalizada, mais uma vez na longa história da corrupção política do Brasil, a chamada regra do jogo – o uso criminoso da máquina pública para enriquecer políticos e empresários, mantendo ambas as partes no comando do Estado.

Alerta Vermelho

O horror em um retrato. O mundo precisou da foto de um garoto sírio morto para se comover com a tragédia dos refugiados na Europa. Aylan não foi salvo. Será que ele pode nos salvar?

Confira mais em: epoca.globo.com



istoe-mIstoé

#SOMOSTODOSIMIGRANTES. O grito silencioso do cadáver de Ayslan Kurdi em uma praia turca fez o mundo despertar para a tragédia humanitária dos refugiados que agora chegam à Europa. Para que isso não se repita é preciso agir e não se esquecer que somos todos imigrantes. Só nos últimos dois anos, meio milhão de pessoas se aventuraram em perigosas viagens para fugir da guerra, da fome, do horror que assola o Oriente Médio e o Norte da África. Mais de cinco mil deles tiveram o mesmo destino que Aylan Kurdi, o jovem sírio que se transformou no símbolo desta que é a maior crise migratória na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Política

O governo parou... Dilma vê sua imagem ruir com Orçamento com R$ 30 bilhões de déficit. Agora, a presidente promete fortalecer o ministro Joaquim Levy na tentativa de salvar as contas públicas. Será que consegue? Até o Michel Temer já demonstra dúvida.

Confira mais em: www.istoe.com.br



cartacapital-mCarta Capital

Cratera Fiscal. O governo não sabe como cobrir o déficit, mas ignora os sonegadores.
Delfim Netto. Todo cuidado é pouco com o precipício.


Europa

O drama dos imigrantes é a maior tragédia desde a Segunda Guerra Mundial.


Janot VS Mendes

Quem é tendencioso: O procurador-geral ou o ministro do supremo?

Confira mais em: www.cartacapital.com.br

Tags: Brasil revistas
A+ A-