O que fez Rogério Marinho se tornar o novo 'queridinho' de Bolsonaro

Época mostra que o ministro faz do Desenvolvimento Regional montou um balcão para agradar ao chefe e a insatisfeitos com a equipe econômica.

Da redação,

epoca2ÉPOCA

Poder paralelo

Como o ex-tucano Rogério Marinho se tornou o aliado mais influente de Jair Bolsonaro na política e na economia

O voo solo do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, colidiu com os altos e baixos de Paulo Guedes na condução das políticas econômicas. Se, durante a discussão da reforma da Previdência, o chamado de Posto Ipiranga tinha, no ministro, o frentista perfeito que abastecia, trocava os pneus e, se precisasse, ainda guaribava a lata velha que havia se tornado a articulação do governo, após a aprovação, Guedes achou seu antagonista na Esplanada dos Ministérios.

O ex-subordinado do ministro da Economia apostou no medo que contagiou o Planalto — e parte da equipe econômica — de que um governo reformista por si só levaria a um efeito Mauricio Macri, o ex-presidente da Argentina que aplicou reformas a conta-gotas e foi derrotado nas urnas. Para o titular do Desenvolvimento Regional, 2020 é um ano de excepcionalidades fiscais em razão da pandemia do coronavírus — um verdadeiro pão com leite condensado para Bolsonaro e seus aliados com ímpeto desenvolvimentista dispostos a gastar.

Tais ideias contrariaram Guedes, que passou a insinuar que nas atitudes do ex-subordinado havia um quê de traição. A proximidade de Marinho com governadores, em razão das atribuições de sua pasta, também incomodou o ministro da Economia, que enxergou ali uma proximidade excessiva com nomes contrários ao bolsonarismo e uma semente de deslealdade, em sua visão.

Marinho entende o jeito de Bolsonaro fazer política e joga o jogo. Na semana passada, em live com investidores e executivos do mercado financeiro, alfinetou Guedes. Disse que o que derruba o país não é realizar uma obra aqui outra acolá, e, sim, a inabilidade política de “alguns” em tratar de temas delicados como as reformas.

Leia mais em Época.


veja2VEJA

O inimigo das redes

Sucesso no Brasil e no exterior, o documentário The Social Dilema traz depoimentos reveladores como o de Tristan Harris, ex-executivo do Google, e mostra de que forma os gigantes de tecnologia ameaçam desde a sanidade mental dos jovens até a democracia

Tanto barulho é compreensível: nunca se viu um raio X tão profundo e devastador das ferramentas que na última década se impuseram como parte quase indissociável não só da rotina, mas da própria relação dos seres humanos com o mundo. Sua força vem das fontes que descrevem e opinam com contundência sobre o modus operandi dos gigantes das redes sociais. Ao lado de Harris, uma dezena de outros executivos com o conhecimento de causa de quem ocupou cargos estratégicos numa constelação que vai do Facebook ao Twitter, do Instagram ao Pinterest, dá depoimentos francos, instrutivos e estarrecedores.

A certa altura, o documentarista pergunta qual o maior temor que o uso das redes provoca em um de seus entrevistados, Tim Kendall, que foi presidente da rede de compartilhamento de imagens Pinterest e diretor de monetização do Facebook. A resposta é perturbadora: “No curto prazo, uma guerra civil”.

Até chegar a esse ápice dramático, no entanto, O Dilema das Redes vai pintando um panorama preciso e extremamente acessível a qualquer pessoa, mesmo para quem não é versado nos desvãos da tecnologia, sobre a verdadeira natureza dos serviços que hoje fazem a cabeça de bilhões no mundo — e em especial dos brasileiros. Recentemente, a consultoria britânica GlobalWebIndex mostrou que o país é o terceiro em uso de redes sociais em um ranking de 46 nações. Por dia, os brasileiros passam, em média, três horas e 38 minutos conectados nesse tipo de conteúdo, atrás apenas das Filipinas e da Nigéria.

O documentário começa reconhecendo as óbvias razões do apreço das pessoas pelas redes. Seu surgimento, no raiar do milênio, produziu uma revolução bem-vinda e sem precedente na forma como as pessoas se relacionam: famílias e amigos havia muito distantes se reencontraram no Facebook; das campanhas de doação de órgãos à explosão dos grupos que unem gente de todo o mundo com interesses comuns, as redes abriram possibilidades até então inimagináveis de interação. Mais que tudo, deram a milhões de anônimos a chance de, pela primeira vez na história, expressar opiniões. Isso tudo não tem preço? Tem, sim, e ele é altíssimo, como demonstra O Dilema das Redes.

Leia mais em Veja.


istoe2ISTOÉ

O Brasil que passa fome

Ela voltou com força em alguns rincões da miséria. O dado acaba de sair e alarmou o País. Mais de 10 milhões de brasileiros estão no momento famintos, em estado de carência alimentar extrema. É um contingente que não para de crescer. Quem vai fazer alguma coisa para reparar esse absurdo?

A fome come para dentro o corpo daqueles que não têm nada para comer, porque somente os famintos sentem o que se chama boca do estômago. Atualmente, no País, pelo menos 10,3 milhões de brasileiros não têm o que comer diariamente. E a situação é ainda mais abrangente em 36,7% dos lares, que padecem de outra condição extrema: não possuem acesso regular à alimentação em quantidade e qualidade suficientes para se nutrirem. É o que se denomina, na econômica e ciências sociais, insegurança alimentar.

A fome é escalonada em três níveis. Mera teoria. Fome sem recompensa de comida é tudo igual: é fome! O estudo, divulgado na semana passada, é do IBGE e refere-se a 2017 e 2018 — apenas três anos, portanto, após o Brasil ter sido retirado pela ONU do “mapa da fome”, em 2014. Em 36 meses, a tal triste mapa os nossos tristes trópicos, assim definidos pelo antropólogo Claude Lévi-Strauss, retornaram com 14,1% a mais de miséria.

Um motivo é a recessão que despencou sobre o País em 2014 e foi devorando os anos subsequentes. A causa principal, no entanto, é que em nosso chão, aquele que romanticamente foi consagrado como “em se plantando tudo dá”, o establishment político e social e o estamento burocrático governamental, com raríssimas exceções, pouco se importam com aqueles que vendem o almoço para comprar a janta ou sequer têm o almoço para vender.

Não adianta o governo que agora ocupa o Palácio do Planalto e nem adianta a Ministério da Economia dizerem que nada têm a ver com o assunto, uma vez que o levantamento do IBGE cobre um biênio anterior ao desembarque deles no poder. Não adianta! O presidente Jair Bolsonaro elegeu-se prometendo resolver a questão do desemprego, da carência e da fome. Quase dois anos de gestão, e nada, absolutamente nada. Até hoje ele não desceu do palanque para governar, sofre de transtorno obsessivo compulsivo pela reeleição e apresenta anoréxicos projetos para combater a pobreza — e, ainda assim, o faz porque guarda interesses eleitoreiros, no Norte e Nordeste, regiões mais castigadas pela insegurança alimentar. Não bastasse tudo isso, que atinge sobretudo crianças com menos de cinco anos de idade (6,5 milhões em todo País ) e as casas chefiadas por mulheres ou negros, veio a pandemia. E veio com ela mais desemprego. E, fatalmente, a disparada nos preços de comida básica.

Leia mais em Istoé.


carta2CARTA CAPITAL

Desligado do mundo

Em um ano e nove meses, a única estratégia  do Itamaraty de Bolsonaro foi a subserviência a Trump. Resultado: o Brasil torna-se inconfiável na diplomacia e perde relevância e dinheiro

- Desalento: Com acesso restrito à escola e sem emprego, os jovens veem o futuro comprometido por mais uma década perdida.

- BNDES: Omissa no combate aos efeitos econômicos da pandemia, a direção do banco agora intimida o experiente corpo técnico.

Leia mais em Carta Capital.

Tags: Carta Capital Época Istoé revistas semanais Veja
A+ A-