Istoé destaca possível crime de responsabilidade de Bolsonaro

Bolsonaro, Maia e covid-19, confira os destaques das revistas semanais.

Da redação,

istoe1Istoé


Se isso não é crime de responsabilidade, o que é?

O presidente Bolsonaro vira um anarquista no poder, promove baderna em frente ao Quartel-Geral do Exército, incita intervenções militares, desobediência civil e, em um arroubo absolutista típico de ditadores, se autroploclama a própria constituição.

Revista também destaca a situação de miséria no Brasil, a intervenção na saúde com a troca de ministros e os planos de saída para abertura do mercado após a pandemia do coronavírus (covid-19).


Leia mais em www.istoe.com.br


veja1Veja

Uma nova esperança

Lá no outro mundo em que vivíamos, em fevereiro, quando a Covid-19 começava a se espalhar, ainda silenciosa e sorrateiramente, o consultor sênior da Organização Mundial da Saúde (OMS), o canadense Bruce Aylward, alocado na China, mal foi escutado ao chamar atenção para um composto químico desenvolvido em um laboratório da farmacêutica Gilead, em Foster City, na Califórnia, ao sul de São Francisco. “Há apenas uma droga com real eficácia contra a Covid-19”, disse Aylward. “É o remdesivir.” Criado em laboratório há exatos oito anos — o primeiro estudo foi publicado na revista Bioorganic & Medicinal Chemistry Letters em 15 de abril de 2012 —, o antiviral foi aplicado em dois outros momentos. Inicialmente, nas pesquisas em torno de um possível tratamento do surto de Mers, a síndrome respiratória por coronavírus, identificada na Arábia Saudita, naquele mesmo ano do primeiro registro científico do medicamento. E, depois, como terapia em casos africanos de ebola, na Guiné, Serra Leoa e Libéria, entre 2013 e 2016. Nos episódios da Mers, verificou-se em laboratório uma freada na multiplicação do vírus. Com o ebola, houve testes em humanos, mas os resultados foram decepcionantes.

Leia mais em www.veja.abril.com.br


epoca1Época

A longa travessia

Depois de mais de 180 mil mortos e da agonia de meses de isolamento, o mundo todo se prepara para a travessia do oceano de incertezas que um dia levará à terra firme de uma vida de volta ao normal, ou algo perto disso. Países por todo o planeta traçam estratégias sofisticadas para conter uma segunda onda que coloque tudo a perder. Em comum, boa parte deles aposta em rastreamento de contatos para identificar rapidamente novos focos de eclosão do coronavírus, isolar todos que tiveram contato com os infectados e, assim, evitar uma volta às quarentenas radicais que esvaziaram as ruas das grandes cidades. A Alemanha, onde as escolas deverão começar a reabrir em maio, tem montado equipes de cinco pessoas para monitorar cada grupo de 20 mil habitantes, por meio de um sistema efetivo de testagens; a Coreia do Sul, a democracia mais bem-sucedida até agora nessa luta e que nunca chegou a decretar um “lockdown”, se valeu também de testes em massa e do rastreamento de dados de celulares para conter a pandemia — por lá, em apenas 10% dos casos as autoridades não conseguiram identificar a origem da infecção dos doentes.

Leia mais em www.epoca.globo.com


carta1Carta Capital

Maia na Mira

Com medo da cassação, Bolsonaro investe contra o presidente da Câmara, negocia com o centrão e até ressuscita Roberto Jefferson. A Carta Capital destaca que os recentes ataques do presidente a Rodrigo Maia. E mais: publicação traz cobertura do combate ao coronavírus (covid-19) no mundo e a inabilidade de Nelson Teich à frente do Ministério da Saúde.

www.cartacapital.com.br

Tags: Revistas semanais
A+ A-