Istoé aponta que provas de corrupção na campanha de Dilma reacende impeachment

Prisão do marqueteiro João Santana pela Operação Acarajé faz oposição voltar a se articular no Congresso.

Da redação,

Istoé

ISTOE-PA volta do impeachment

Provas que ligam a corrupção na Petrobras à campanha eleitoral de Dilma Rousseff fazem a oposição se articular novamente com o PMDB para tratar do afastamento da presidente.

A Operação Acarajé, deflagrada na última segunda-feira (22) pela Polícia Federal, reacendeu o ânimo da oposição para articular o impeachment de Dilma. O motivo foi a prisão do marqueteiro do PT, João Santa, e sua esposa, Mônica Moura. A investigação aponta que dinheiro desviado da Petrobras teria sido utilizado na campanha da presidente.

Foram 67 dias de alívio para o governo, desde a decisão do STF de alterar o rito do afastamento da presidente Dilma no Congresso. No entanto, a Operação Acarajé trouxe uma tormente à aparente calmaria no governo.

Para Dilma, a prisão daquele que era considerado o 40º ministro do governo, tamanha era a influência exercida por ele, constitui-se no desenlace mais grave da Operação Lava Jato até agora.

Ele não está acima da Lei

Documento da Lava Jato indica envolvimento de Lula com práticas criminosas. A constatação basta para que o ex-presidente seja investigado como qualquer cidadão brasileiro.


Veja

VEJA-ITN-PAcarajé na campanha

A prisão do marqueteiro petista João Santa é destacada pela revista, que o considera “o mais hábil profissional da mentira e da manipulação”, sendo responsável pelas campanhas presidenciais de Dilma e Lula.

Veja mostra ainda o recebimento de dinheiro sujo pelo publicitário no Brasil e em contas na Suiça.

A revista afirma ainda que a presidente Dilma havia sido avisada do risco de que os pagamentos feitos pela Odebrecht ao marqueteiro João Santana, no exterior, fossem descobertos caso a Operação Lava Jato atingisse a construtora Odebrecht. Situação agora exposta pelas investigações da Polícia Federal.

Saúde

O exílio voluntário de grávidas com medo da microcefalia associada ao vírus Zika deixam o Brasil e partem para dar à luz nos Estados Unidos.


EPOCA1Época

O trio acarajé

A Lava Jato prende João Santana e passa a investigar as conexões entre o marqueteiro, o esquema internacional da Odebrecht e o ex-presidente Lula.

A prisão do que a revista considera o “bruxo das campanhas”, pelo sucesso em conseguir a vitória para eleições presidenciais de seus candidatos em diversos países, acendeu o alerta dentro do Palácio do Planalto.

Segundo a Época, o marqueteiro é o principal elo que o liga à Dilma e Lula e a Operação se aproxima cada vez mais dos líderes petistas, o que traz preocupação e temor aos integrantes do partido.


CartaCapital

Operação TSE

A simbiose entre a Lava Jato e o plano de cassar a chapa Dilma-Temer. E o governo começa a entregar o pré-sal.

Renúncia Fiscal

O modelo da Lei Rouanet não serve mais para incentivar a cultura.

Tags: CartaCapital Época Istoé Revistas semanais Veja
A+ A-