Youtube encerra dois canais do bolsonarista Allan dos Santos

Blogueiro é um dos investigados no inquérito que mira organização de atos democráticos e já defendeu intervenção militar em conversa com assessor de Bolsonaro,

Da redação, Estadão Conteúdo,
Arquivo/Agência Brasil
Allan dos Santos é um dos alvos da investigação que mira suposta organização de atos em defesa da ditadura militar e contra a democracia.

O Youtube encerrou na noite desta quarta-feira (3), dois canais do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, investigado pelo Supremo Tribunal Federal no inquérito que mira a organização e financiamento de atos antidemocráticos. Foram desligados o canal principal utilizado por Allan e uma conta reserva que estava sendo utilizada pelo blogueiro – segundo a plataforma, ambos os perfis violaram os termos de serviço do site.

Segundo o Estadão apurou, a conta principal de Allan dos Santos já havia sofrido uma advertência quando o blogueiro passou a utilizar a conta reserva para burlar eventuais punições da plataforma. O uso de perfis alternativos para driblar as regras é uma das violações que levaram ao encerramento dos dois canais.

Em nota, o Youtube informou que ‘todos os conteúdos publicados na plataforma precisam seguir as diretrizes de comunidade’ da rede social e que a empresa ‘se reserva o direito de restringir a criação de conteúdo de acordo com os próprios critérios’.

“Caso uma conta tenha sido restringida na plataforma ou impossibilitada de usar algum dos nosso recursos, o criador não poderá usar outro canal para contornar essas penalidades”, frisou a rede social. “Essa regra se aplicará a todo o período em que a restrição estiver ativa. Consideramos a violação dela um descumprimento dos nossos Termos de Serviço, o que pode levar ao encerramento da conta”.

Allan dos Santos é um dos alvos da investigação que mira suposta organização de atos em defesa da ditadura militar e contra a democracia no ano passado. Em setembro, o Estadão revelou conversas trocadas entre o blogueiro com o tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, chefe da Ajudância de Ordem da Presidência da República, na qual Allan defende que ‘as Forças Armadas precisam entrar urgentemente’.

Em depoimento prestado à Polícia Federal e obtido pelo Estadão, Mauro Cid declarou à PF que não se recordava de ‘ter estabelecido’ conversas com Allan dos Santos sobre a ‘necessidade de intervenção das Forças Armadas’ e negou apoiar a ideia. Ele, no entanto, admitiu que fazia o ‘leva e traz’ para o presidente Jair Bolsonaro – repassando mensagens de Allan e demais apoiadores ao Planalto.

Em julho, o blogueiro teve a conta no Twitter retida no País após a rede social atender ordem do ministro Alexandre de Moraes, que determinou a suspensão do perfil de Allan e de outros investigados, como a extremista Sara Giromini e o empresário Luciano Hang.

A medida foi justificada pela necessidade de ‘interromper discursos criminosos de ódio’ e solicitada ainda em maio, quando apoiadores do governo foram alvo de buscas em operação da Polícia Federal. Na ocasião, Moraes apontou ‘sérios indícios’ de que o grupo praticou crimes de calúnia, difamação, injúria, associação criminosa e contra a Segurança Nacional.

“Essas tratativas ocorreriam em grupos fechados no aplicativo de mensagens Whatsapp, permitido somente a seus integrantes. O acesso a essas informações é de vital importância para as investigações, notadamente para identificar, de maneira precisa, qual o alcance da atuação desses empresários nessa intrincada estrutura de disseminação de notícias fraudulentas”, apontou o ministro.

O blogueiro, porém, passou a utilizar uma conta reserva e continua a utilizar o Twitter normalmente desde então. Após ser investigado e alvo de buscas pela Polícia Federal, Allan dos Santos deixou o País e atualmente reside nos Estados Unidos.

LEIA A NOTA DO YOUTUBE:

“Todos os conteúdos no YouTube precisam seguir nossas diretrizes de comunidade. Contamos com uma combinação de sistemas inteligentes, revisores humanos e denúncias de usuários para identificar conteúdo suspeito e agimos rapidamente sobre aqueles que estão em desacordo com nossas políticas. O YouTube também se reserva o direito de restringir a criação de conteúdo de acordo com os próprios critérios. Caso uma conta tenha sido restringida na plataforma ou impossibilitada de usar algum dos nossos recursos, o criador não poderá usar outro canal para contornar essas penalidades. Essa regra se aplicará a todo o período em que a restrição estiver ativa. Consideramos a violação dela um descumprimento dos nossos Termos de Serviço, o que pode levar ao encerramento da conta.”

Tags: Poder
A+ A-