Witzel se diz vítima de perseguição política e chama delação de Edmar Santos de ‘mentirosa’

Governador afastado do Rio de Janeiro afirmou que vai recorrer para permanecer no cargo.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Wilton Júnior / Estadão
Wilson Witzel fala do afastamento do governo do Rio de Janeiro e diz ser vítima de perseguição política.

Dizendo-se ‘indignado’ e ‘vítima de perseguição política’, o governador afastado do Rio, Wilson Witzel (PSC), afirmou na manhã de hoje que vai recorrer para permanecer no cargo. Ele acusou a procuradoria da República de perseguição e disse que vai seguir morando no Palácio Laranjeiras. ‘Não fui despejado’, disse.

Witzel fez um pronunciamento de mais de 20 minutos. Acusou a procuradora Lindora Araújo, responsável por sua denúncia, de perseguição e ligação com a família Bolsonaro, de quem se tornou desafeto.

“Uma procuradora cuja imprensa já denunciou um relacionamento próximo com a família Bolsonaro. Bolsonaro que já declarou que quer o Rio de Janeiro, já me acusou de perseguir a família dele”, disse Witzel.

O governador afastado chamou a busca e apreensão promovida pela Polícia Federal em sua residência oficial de ‘busca e decepção’. “Não encontrou um real, uma joia. Foi mais um circo. Lamentavelmente, a decisão do excelentíssimo senhor ministro Benedito, induzido pela procuradoria da República, na pessoa da doutro Lindora, que está se especializando em perseguir governadores, desestabilizar os estados da federação, com investigações rasas, buscas e apreensões preocupantes”, disparou Witzel.

Ele ainda chamou o ex-secretário de Saúde do Estado Edmar Santos – que chegou a ser preso e, em delação premiada, acusou Witzel de ter ligação com desvios – de ‘canalha’ e ‘vagabundo’. De acordo com Witzel, a delação de Edmar Santos é ‘mentirosa’

Tags: Política
A+ A-