Desempenho em 2006 fortaleceu Roberto Germano

Em 2004, o ex-prefeito perdeu o apoio da governadora Wilma de Faria para Bibi Costa.

Josenildo Carlos,
Cedida
Roberto Germano: favoritismo na sucessão caicoense
O ex-prefeito Roberto Germano governou Caicó de 2001 a 2004. Em 2003, rompeu com o sistema político dos deputados Álvaro Dias e Dadá Costa. Ingressou no PSB da governadora Wilma de Faria e chegou em 2004 pensando na reeleição.

Na época, as pesquisas de consumo interno mostravam que era o favorito para o embate nas urnas. Mas no meio do caminho prevaleceu a força política do deputado Vivaldo Costa. Ele convenceu que Wilma vetasse através do PSB a candidatura de Germano.

Sem alternativas, o então prefeito se viu obrigado a apoiar o nome de Bibi Costa e indicou o vice na chapa, o advogado Junior Germano.

Ressabiado, o ex-prefeito deixou o PSB e se filiou ao PCdoB. Na eleição passada se candidatou a deputado estadual. Conquistou 11.806 votos e não foi eleito, mas conseguiu uma expressiva votação em Caicó que custou a eleição de Vivaldo Costa.

O "papa-jerimum" ficou na suplência por pouco mais de 300 votos. Votos que teriam vindo, com certeza, dos 6.893 votos que Germano conquistou somente em Caicó. O desempenho do ex-prefeito acabou por fortalecê-lo ainda mais na corrida sucessória de 2008.
A+ A-