MP combate grupo acusado de trazer drogas da região Sul para as capitais do Nordeste

'Conexão Floripa' foi deflagrada nesta quarta-feira e cumpre mandados de prisão preventiva e de prisão temporária.

Da redação, MPRN,
Arquivo/MPRN
Operação do Ministério Público combate o tráfico de drogas e cumpre mandados no RN, SC, CE e MS.
O Ministério Público (MP) deflagrou nesta quarta-feira (21) a operação Conexão Floripa, com o objetivo de combater o tráfico interestadual de drogas, entre as regiões Sul e Nordeste. A ação cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão no Rio Grande do Norte e ainda em Santa Catarina, Ceará e Mato Grosso do Sul.
 
A operação tem por objetivo apurar o cometimento dos crimes de tráfico interestadual de drogas, associação para o tráfico e organização criminosa. Ao todo, foram cumpridos 5 mandados de prisão preventiva. As pessoas presas são suspeitas de trazerem drogas do Sul para distribuir nas capitais do Nordeste. Durante a operação, houve apreensão de drogas em Santa Catarina.
 
Os mandados foram cumpridos nas cidades potiguares de Natal e Parnamirim, e ainda em Florianópolis (SC), Forquilhinha (SC), São José (SC), Fortaleza (CE) e Campo Grande (MS). No RN, foram cumpridos três mandados de prisão com o apoio da Polícia Militar. A operação também teve o apoio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) dos Ministérios Públicos de Santa Catarina, Ceará e Mato Grosso do Sul e das polícias desses Estados.
 
As investigações do MP sobre o grupo foram iniciadas neste ano e apontam a atuação da organização criminosa no tráfico de drogas utilizando a via aérea para introduzir drogas em Natal e outras capitais do Nordeste, sobretudo Fortaleza, João Pessoa e Recife. O MP já apurou que o tráfico se intensificou no período da pandemia da Covid-19 diante do enfraquecimento do movimento dos aeroportos e do fechamento das fronteiras terrestres com os demais países da América do Sul.
 
O MP obteve provas que mulheres foram angariadas pela organização criminosa para trabalharem como “mulas”, sendo contratadas pelo grupo para transportarem bagagens contendo drogas de Florianópolis, capital catarinense, para o Nordeste. Entre os presos na operação Conexão Floripa estão os cabeças do grupo, que eram responsáveis por arquitetar o tráfico, recrutar “as mulas” e distribuir as drogas em Natal e em outras capitais nordestinas.
 

Apreensões

Somente em 2020, ocorreram, pelo menos, cinco apreensões de drogas que são atribuídas ao grupo. Em todos os casos, as passagens aéreas das “mulas” foram compradas pela organização criminosa. No dia 14 de maio, uma mulher foi presa em flagrante por transportar, em uma mala, aproximadamente 15 quilos de maconha, ao desembarcar em Recife de um voo precedente de Florianópolis. O MP apurou que essa droga seria trazida para Natal.

 
Em 23 de maio, quatro mulheres e um homem foram presos em flagrante no aeroporto de Natal-São Gonçalo do Amarante. O grupo estava com aproximadamente 45 quilos de maconha em malas. Mais uma vez, o voo foi iniciado na capital catarinense.
 
No dia 24 de junho, também no aeroporto de Natal-São Gonçalo do Amarante, duas mulheres foram flagradas e presas com 59,45 quilos de maconha em um voo cuja viagem foi iniciada em Florianópolis.
 
A quarta apreensão atribuída ao grupo aconteceu em 17 de julho, novamente no aeroporto de Recife-Guararapes. Uma mulher foi presa com 30 quilos de maconha. Em depoimento à polícia, ela confessou que receberia R$ 1.500 para transportar a droga até João Pessoa.
 
E a quinta apreensão se deu em 12 de agosto, quando um homem foi preso em flagrante no aeroporto de Natal-São Gonçalo do Amarante com 15,790 quilos de maconha acondicionados em 16 tabletes embalados com fita adesiva. Ele confessou à polícia que reside em Antônio Carlos/SC e que veio de Florianópolis para Natal apenas para traficar a droga.
Tags: Ministério Público Operação Conexão Floripa
A+ A-