Caso Josiérica: acusado de assassinar namorada em Monte Alegre vai a júri popular

Serafim Crisóstomo Júnior é apontado pela Polícia Civil como autor do disparo que matou universitária de 23 anos.

Da redação,
Reprodução/TV Ponta Negra/Acervo pessoal
Serafim Crisóstomo Júnior é acusado de matar a namorada Josiérica da Rocha Alves, com um tiro na cabeça, crime ocorrido no dia 5 de junho de 2019.

O caso da jovem universitária assassinada na noite de 4 de junho de 2019, na cidade de Monte Alegre, pode chegar a uma conclusão ainda este ano. A Justiça agendou para o dia 26 de outubro a sessão do Tribunal do Júri contra o empresário Serafim Crisóstomo Júnior, acusado de matar a namorada, Josiérica da Rocha Alves, de 23 anos. O julgamento deverá ocorrer no Fórum do município.

Serafim Crisóstomo está preso desde o dia 23 de julho do ano passado após a investigação da Polícia Civil apontar que ele foi o autor do disparo que atingiu fatalmente a cabeça da estudante. No dia do crime, Serafim Júnior relatou à polícia que ele e namorada haviam sido vítimas de um assalto quando chegavam em casa, no município. O suspeito disse que o casal teria sido surpreendido por dois homens armados, que já estavam dentro do imóvel.

No entanto, as investigações apontaram que Serafim mentiu sobre o roubo. De acordo com a Polícia Civil, a perícia constatou que o disparo que atingiu Josierica partiu da arma do seu namorado. Foram feitos os exames residuográfico e balístico. O primeiro confirmou que havia pólvora na mão de Serafim Crisóstomo Júnior, e o segundo, que a bala que atingiu a estudante de Educação Física saiu da arma que ele estava segurando. O homem, que é proprietário de uma equipadora de veículos em Monte Alegre, foi autuado e permanece preso.

JoanaDarcmaedeJosiericaAlves

‘É um pedaço de mim que não volta mais’, diz mãe da jovem

A perda trágica da jovem universitária abalou toda a família. Nesta quinta-feira (17), ao serem informados de que o Tribunal de Júri havia sido agendado, os familiares de Josiérica se reuniram na casa dos pais da estudante assassinada. Bastante emocionada, a mãe da vítima, a técnica de enfermagem Joana D’Arc, disse que a prematura perda da filha provocou uma dor jamais imaginada. “Uma dor muito grande. Ela era uma boa filha para mim. Tudo que eu ia fazer, ela dizia: mainha faça assim. É um pedaço de mim que não volta mais”, disse.

Mayara Rocha lembrou que a prima era bastante carinhosa e querida não apenas pelos parentes, mas também por todos que a conheciam. “Érica era uma pessoa boa, não fazia mal a ninguém. Todos que conheciam ela sabiam que ela era uma pessoa boa, que amava os pais, os irmãos, os primos e todos ao seu redor. Eu só quero que ele pague por tudo que fez para gente. Porque a família dele está vendo ele, mesmo atrás das grades. Mas a nossa família não está vendo ela”, comentou indignada.

Acusação e defesa

Caso-Josiérica-H

Em entrevista para a TV Tropical, o assistente de acusação no processo, o advogado Fernandes Braga, afirmou que as provas contra Serafim são amplas, robustas e que comprovam a responsabilidade do empresário pelo crime. “Não há nenhuma dúvida da participação como autoria do homicídio de Josiérica por parte de Serafim. Zero”, enfatizou.

A defesa contesta a versão da Polícia Civil. “Este crime quem cometeu foram os bandidos que se encontravam e que invadiram a residência deles e que os recebeu à bala, mas que infelizmente, por falta de uma investigação profícua, culminaram por acusar o namorado que nunca teve nenhum problema com a namorada, nem tinha motivos para querer o seu resultado morte”, argumenta o advogado Anesiano Ramos.

Para a mãe de Josiérica, a esperança é que a Justiça seja feita e que o assassino de sua filha seja condenado. “Eu sei que ela não volta, mas eu quero que ele pague pelo que fez”, desabafou Joana D’Arc.

Tags: Feminicídio Polícia
A+ A-