Rei da Espanha se desculpa com Bolsonaro após ‘gafe’ de embaixada

Em mensagem nas redes, escritório diplomático informou que presidente da Câmara, Rodrigo Maia, iria ao país falar de parlamentarismo.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Angel Diaz/Reuters

A posse do presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, no domingo, marcou o primeiro encontro do presidente Jair Bolsonaro com o rei Felipe VI, da Espanha. Lado a lado durante a cerimônia, os dois foram além dos cumprimentos formais. Segundo fontes brasileiras, o monarca aproveitou para esclarecer sobre o encontro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ocorrido três dias antes no Palácio Zarzuela, na residência oficial da realeza na Espanha.

Felipe VI, de acordo com a versão de integrantes da comitiva brasileira no Uruguai, teria pedido desculpas pelo fato de a embaixada da Espanha no Brasil ter mencionado em publicação nas redes sociais que o parlamentarismo seria um dos temas da agenda com o presidente da Câmara. Procurada, a embaixada não se manifestou oficialmente. Informou apenas que não era possível checar o conteúdo da conversa.

Antes do encontro de Maia, a embaixada espanhola no Brasil publicou nas redes sociais que os dois conversariam sobre “democracia, parlamentarismo, futuro do Brasil e desenvolvimento sustentável”, o que motivou críticas de aliados de Bolsonaro na internet. Com a hashtag #Maiagolpista, o assunto viralizou entre os perfis de apoio ao presidente. Bolsonaristas também foram ao perfil da embaixada da Espanha acusando o país de articular com o presidente da Câmara a implementação do parlamentarismo no Brasil.

A reação obrigou o escritório diplomático espanhol a apagar a postagem original. O embaixador espanhol no Brasil, Fernando Garcia Casas, republicou a postagem dizendo que “é óbvio para todos que o sistema do Brasil é presidencialista”. Na publicação no Twitter, o diplomata marcou os ministros Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e Ricardo Salles, do Meio Ambiente, e os filhos do presidente, o vereador do Rio Carlos Bolsonaro (PSC) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

O esclarecimento do rei Felipe VI a Bolsonaro, segundo o Estado apurou, ocorreu na Assembleia Nacional, antes do juramento de Lacalle Pou. Em uma conversa rápida e descontraída, na versão brasileira, o monarca disse que o uso do termo foi infeliz e que a embaixada se referia à diplomacia parlamentar. Em tom de brincadeira, o rei teria dito que sabe que o presidente Bolsonaro é o chefe do Brasil.

Na segunda parte da cerimônia, acompanhada pela imprensa brasileira, Bolsonaro e Felipe VI permaneceram próximos, mas não foram vistos conversando. Bolsonaro passou boa parte do tempo conversando com Iván Duque, presidente da Colômbia, e com o vice-presidente do Equador, Otto Sonnenholzner. O brasileiro ainda teve conversas rápidas com os presidentes do Paraguai, Mario Abdo Benítez, e do Chile, Sebastián Piñera.

O encontro do presidente da Câmara com rei Felipe VI fez parte de uma missão oficial na Europa, que incluiu passagens por Paris e Lile, na França. A interlocutores, Maia tem afirmando que o parlamentarismo não foi tema da conversa, mas teme que o assunto voltará à tona em suas próximas agendas no continente europeu. Ele tem programada uma reunião no Parlamento Europeu em Bruxelas, na Bélgica, e um encontro com o primeiro-ministro de Portugal, Antonio Costa.

Tags: Brasil Diplomacia Espanha
A+ A-