Megavazamento de dados é dor de cabeça para todos os brasileiros

Informações vazadas estão sendo vendidas pelos criminosos na internet.

Da redação,
Divulgação
Megavazamentos recentes, que expuseram informações de milhões de brasileiros, coloca em pauta a segurança de dados pessoais.

Com informações de 223 milhões de brasileiros nas mãos de criminosos, após dois megavazamentos de dados neste início de ano, a Lei Geral de Proteção de Dados já quase não tem o que proteger. O número é maior do que a população do Brasil, estimada em 212 milhões, porque inclui dados de falecidos.

As informações expostas no primeiro megavazamento incluem CPF, nome, sexo e data de nascimento, além de uma tabela com dados de veículos e uma lista com CNPJs. Já o outro incluí informações sobre escolaridade, benefícios do INSS e programas sociais (como o Bolsa Família), renda, entre outras informações. Esse novos dados vazados estão sendo vendidos pelos criminosos. E um detalhe preocupante: a origem dos dados ainda é desconhecida.

Diante disso, o que resta aos brasileiros é ter cuidado e estar atento a toda e qualquer movimentação suspeita, especialmente junto às instituições bancárias. O Banco Central possui um serviço gratuito, chamado "Registrato", que permite monitorar quais contas correntes e quantos empréstimos estão vinculados a um determinado CPF. É possível fazer o cadastro pelo aplicativo do banco no celular e pela internet.


Confira os alertas trazidos pelo jornalista Diógenes Dantas, no quadro “Observatório Nominuto”, nesta terça-feira (22):



Tags: Lei Geral de Proteção de Dados megavazamento de dados Observatório Nominuto
A+ A-