Entenda o que volta a funcionar em Natal após decreto municipal

Apesar do recuo do Estado na retomada das atividades, Município mantém cronograma de reabertura.

Rafael Araújo,
Ricardo Júnior/Nominuto
Com diminuição da taxa de transmissão da covid-19 em Natal, Prefeitura mantém flexibilização economica municipal apesar do recuo do Governo.

SELO-CORONA-100A Prefeitura do Natal segue com o cronograma de flexibilização econômica independente do recuo do Governo do Estado, anunciado nesta terça-feira (7), pela governadora Fátima Bezerra.

Com a decisão municipal, alguns comércios que funcionam na cidade do Natal já podem reabrir. Na primeira parte da flexibilização, iniciada em 30 de junho, já foi autorizado a reabertura de atividades de informação, comunicação, agências de publicidade, designs e afins, além de salões de beleza e barbearias. Na ocasião, também foi permitida a abertura de estabelecimentos de até 300 m² e com porta para a rua, dos seguintes ramos: papelarias, bancas de revistas, comércio de produtos de climatização, de bicicletas e acessórios, além de lojas de vestuário e armarinhos.

Já na segunda fase, que começou nesta terça-feira (7), após a publicação no Diário Oficial do Município, estão autorizados a funcionar os estabelecimentos de serviço e alimentação de até 300m² (restaurantes, lanchonetes e food parks), estabelecimentos com até 600m² e com porta para a rua dos seguintes ramos: comércio de móveis, eletrodomésticos e colchões, lojas de departamento de magazines não localizados dentro de shoppings ou centros comerciais, agências de turismo, comércio de calçados, de brinquedos, de artigos esportivos e de caça e pesca, de instrumentos musicais e acessórios; de equipamentos de áudio e vídeo; de eletrônicos / informática; de equipamentos de telefonia e comunicação; joalherias, relojoarias; bijuterias; de artesanatos e de cosméticos e perfumaria.

A Prefeitura também autorizou o funcionamento de shoppings centers no âmbito do Município do Natal, mas unicamente para vendas por meio eletrônico ou telefone, com entrega do produtos e pagamento em guichê localizado na área do estacionamento e com a proibição de pagamento em dinheiro em espécie.

O decreto municipal estabelece ainda que os shoppings center tenham um número máximo de quinze guichês de venda, com um único colaborador em cada guichê, que deverá fazer uso contínuo de masca de proteção, luvas e álcool 70° INPM, além de obrigar um distanciamento mínimo de 5 metros entre guichê e outro.

A forma de disposição dos guichês deverá ser previamente apresentada à Secretaria Municipal. É proibida a exposição, estocagem ou armazenamento de produtos nos guichês e  não poderão trabalhar no presente sistema de vendas pessoas com mais de 60 anos ou que possuam comorbidades, tais como hipertensão, cardiopatia, diabetes, dificuldades do sistema respiratório.

Tags: Natal Saúde
A+ A-