Violência deixa pelo menos 30 mortos no Iraque

Um extremista suicida detonou uma bomba, matando oito pessoas em um café perto da cidade de Kirkuc.

BBC Brasil,
BBC Brasil
Ataque a uma padaria deixou dez mortos em Bagdá, no sábado.
Pelo menos 30 pessoas morreram em ataques no Iraque, neste domingo, um dia depois de a rede al Qaeda no país ter anunciado uma nova ofensiva no mês sagrado do Ramadã. 

O grupo Estado Islâmico do Iraque, afiliado a al Qaeda, anunciou no sábado que realizaria uma série de ataques durante o Ramadã, que começou na semana passada.

Um extremista suicida detonou uma bomba, matando oito pessoas em um café perto da cidade de Kirkuc, no norte, que servia refeições durante o período de jejum do Ramadã.

Catorze pessoas morreram quando militantes atacaram dois vilarejos na província de Diyala, perto de Bagdá.

Os vilarejos pertenciam a uma tribo sunita que havia se juntado à aliança que pretende expulsar os militantes da al Qaeda da província.

Pelo menos duas pessoas morreram na explosão de um carro-bomba na capital, Bagdá, e há informações de que várias pessoas morreram durante um tiroteio na cidade.

Prisão

Também neste domingo as forças americanas no Iraque anunciaram a prisão de Fallah Khalifa Hiyas Fayyas al-Jumayli, suspeito por assassinar o líder tribal sunita Abdul Sattar Abu Risha.

Ele foi morto em um ataque a bomba perto de sua casa, na cidade de Ramadi, na província de Anbar, na quinta-feira passada.

Abu Risha era o líder da aliança de líderes tribais contra a al Qaeda, e havia se encontrado com o presidente americano George W. Bush na semana passada, em Anbar.

A aliança vem trabalhando com forças americanas e iraquianas num esforço para expulsar os militantes da al Qaeda da província, que já foi palco da insurgência sunita contra a ocupação americana.

A+ A-