Viagra 'torna homem mais carinhoso', diz estudo

Médicos lembraram que Viagra não funciona sem estímulos.

BBC Brasil,
BBC Brasil
Drogas contra disfunções eréteis não induzem ereções espontaneamente.
Além de melhorar o desempenho sexual de um homem, tomar Viagra pode torná-lo também mais carinhoso, indicou um novo estudo da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos. 

Em experiências com ratos, os pesquisadores verificaram que o sildenafil, nome genérico para o Viagra, aumenta a liberação no cérebro da oxitocina, o chamado "hormônio do amor".

Ratos tratados com sildenafil responderam a estímulos neurais liberando três vezes mais oxitocina que os que não haviam sido tratados com a substância.

Às vezes chamada também de "substância do aconchego", a oxitocina desempenha um papel importante na interação social e na reprodução de humanos: aparece durante a amamentação para criar a ligação especial entre a mãe e o filho, assim como em casais apaixonados.

A liberação da substância no cérebro é controlada por uma proteína – a fosfodiesterase tipo 5 – que também limita o fluxo de sangue para o pênis. A ação do Viagra consiste em reduzir os efeitos desta proteína.

Desta forma, a pequena pílula azul parece ter "efeitos físicos além do de permitir um maior fluxo sanguíneo para os órgãos sexuais", disse um dos autores do estudo, o professor da Escola de Medicina e Saúde Pública da universidade, Meyer Jackson.

Mas ele ressalvou que a droga não tem efeito se não houver estimulação:

"Drogas contra disfunções eréteis não induzem ereções espontaneamente, apenas melhoram a resposta a estímulos sexuais", ele explicou.

"O Viagra por si só não induz à liberação de oxitocina, mas melhora a quantidade liberada em resposta a um estímulo elétrico."

O estudo, divulgado na página da Universidade, será publicado na próxima edição do Journal of Physiology.

A+ A-