Ventos dão trégua na Califórnia e auxiliam ação dos bombeiros

Os incêndios na Califórnia já deslocaram mais de 1 milhão de pessoas e destruíram 1,5 mil casas.

BBC Brasil,
BBC Brasil
As autoridades estimam que as perdas materiais ultrapassem US$ 1 bilhão
Os ventos que alimentam as chamas que há quatro dias devastam várias áreas do Estado da Califórnia começaram a perder força nesta quinta-feira (25), auxiliando o trabalho dos bombeiros.

De acordo com o serviço de metereologia, os ventos Santa Ana, que chegaram a alcançar a força de um furacão, deram uma trégua e permitiram que as brigadas de incêndio pudessem atuar mais próximas às áreas afetadas. Mas apesar da trégua nos ventos, ainda não há previsão de chuvas.

Maurice Luque, porta-voz do Corpo de Bombeiros do condado de San Diego, um dos mais afetados, disse à BBC que a situação está começando a ser controlada nas áreas urbanas de San Diego, mas que o interior ainda continua sendo consumido pelas chamas.

“As temperaturas estão um pouco mais baixas, não há ventos, a umidade está aumentando em algumas áreas. Já em outras, o fogo ainda se espalha, queimando casas e forçando a evacuação de mais pessoas”, disse Luque.

Os incêndios na Califórnia já deslocaram mais de 1 milhão de pessoas e destruíram 1,5 mil casas. As autoridades estimam que as perdas materiais ultrapassem US$ 1 bilhão.

Três pessoas já morreram e 38 ficaram feridas. Uma área de mais de 120 mil hectares, maior que a da cidade de Nova York, já foi destruída pelo fogo.

Zona de desastre
Nesta quarta-feira (24), o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, declarou zona de desastre na Califórnia por causa dos incêndios que estão atingindo o sul do estado americano.

A declaração significa que mais verbas de emergência poderão ser enviadas ao estado, principalmente para pessoas que não têm seguro. A medida também libera a adoção de programas federais de longo prazo para recuperar a infra-estrutura local.

A operação de retirada de moradores já é a maior feita nos Estados Unidos desde a passagem do furacão Katrina, que castigou a cidade de Nova Orleans, no sul do país, em 2005.

Bush, que deve visitar a Califórnia na quinta-feira, disse que a população do sul do estado "pode descansar com a certeza de que o governo federal fará tudo o possível para ajudar a apagar esses incêndios".

"Nós continuaremos a garantir que nossos esforços sejam coordenados e que possamos reagir às necessidades das pessoas."

Segundo o correspondente da BBC em Washington, Justin Webb, a postura de Bush mostra que ele aprendeu uma lição com o Katrina.

Webb afirma que, por mais que a Casa Branca pense que os governos locais devem arcar com a responsabilidade nesse tipo de situação, ficou claro para o presidente que o que ele fizer durante uma situação de desastre tem importância.

"O que vemos agora, e que não vimos durante o furacão Katrina, é um grande esforço dos governos local, estadual e federal e das agências federais", disse David Paulison, diretor do órgão federal de coordenação de situações de emergência.
A+ A-