PSB em fase de reestruturação

Partido tenta recompor os quadros para evitar encolhimento antes de 2010.

Julio Pinheiro,
Vlademir Alexandre
Rogério Marinho deixando o PSB, a tendência é que Dickson e Enildo o acompanhem.
"Não quero crer que uma legenda como o PSB abra mão de candidatura numa cidade em que é protagonista para ser coadjuvante". A previsão foi feita por ninguém menos que o deputado federal Rogério Marinho (PSB) em 22 de abril de 2008.

No entanto, passado quase um ano da demonstração de otimismo do parlamentar federal, o PSB - que já não é tão "protagonista" em Natal como antes - passa por momento de indefinição em seus quadros, podendo perder importantes membros antes das próximas eleições.

A reestruturação é o objetivo. O comando do Governo do Estado, da Prefeitura de Natal, dois deputados federais, maior bancada da Câmara de Natal e o status de partido mais poderoso do Rio Grande do Norte era o posto que ostentava o PSB antes do embate interno no partido, em que os militantes (orientados pela governadora e pelo então prefeito Carlos Eduardo) decidiram abrir mão da candidatura à Prefeitura do Natal.

Após o fracasso eleitoral, a legenda perdeu a Prefeitura da capital (agora comandada pelo PV), deve perder um deputado federal e muito provavelmente perderá alguns dos representantes na Câmara Municipal do Natal. Representantes de peso em Natal, diga-se de passagem.Antes das prévias do partido, que ocorreram em 16 de junho de 2008, todos os oito vereadores que o PSB tinha na Câmara eram favoráveis à candidatura de Rogério à Prefeitura.

Com o "rolo compressor" agindo, apenas Adenúbio Melo, Dickson Nasser e Enildo Alves, entre os eleitos, mantiveram o discurso de liderados do deputado. Com a saída de Rogério Marinho do PSB, que deverá ser confirmada pelo TSE, o presidente da Câmara (Dickson) e o líder do Governo na CMN (Enildo) podem seguir o rumo do deputado, enfraquecendo ainda mais a legenda em Natal, maior reduto eleitoral da governadora.

Mas as perdas não devem parar por aí. Bastante criticado por todos os segmentos do PSB e com uma relação instável com Wilma de Faria, o ex-prefeito Carlos Eduardo é outro que pode seguir um rumo oposto ao da legenda.

Apesar da forma conturbada com que deixou o Executivo, o ex-prefeito ainda é um dos quadros do PSB com grande potencial eleitoral e o pré-candidato ao Governo que esteve melhor posicionado em pesquisas sobre 2010.

A sua saída, apesar de satisfazer muitos peessebistas, é uma perda significativa para a sigla. Para evitar o enfraquecimento do partido, a governadora já articula a permanência não só do prefeito, mas de outros membros. ConversaAlgo incomum nos últimos anos à frente do Governo, Wilma de Faria pretende realizar uma reunião com os sete vereadores do PSB.

Na pauta, a avaliação do pleito de 2008, posição do partido em 2009 na Câmara Municipal e, obviamente, as eleições de 2010, em que a maior interessada é a própria Wilma, candidata ao Senado. Em uma disputa acirrada como a que promete ser por uma das duas vagas, a atual governadora não pode abrir mão do trabalho das lideranças que seguem a orientação dos vereadores de seu partido.

O PSB, que já perdeu a Prefeitura e poderá perder o Governo em 2010, vai ter que suar para manter a união de seus membros. É a prova de fogo para saber se o partido se mantém entre os protagonistas da política estadual, ou se estará fadado ao papel de coadjuvante assumido na eleição para a Prefeitura de Natal.
A+ A-