Morte de homem negro gera onda de protestos nos EUA; Casa Branca é cercada

Sede do governo americano ficou fechada por cerca de 1h; passeata seguiu rumo ao Congresso.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Nicholas Kamm/AFP
Manifestantes protestam contra assassinato de George Floyd nas proximidades da Casa Branca, em Washington.

Dezenas de manifestantes realizam na noite desta sexta-feira (29) protestos em frente à Casa Branca, em Washington. As manifestações são contra a violência policial e a morte de George Floyd, um homem negro asfixiado por um policial branco durante uma abordagem em Minneapolis, na segunda-feira (25).

O presidente Donald Trump estava na sede do Executivo americano durante o protesto, que começou em um parque em frente ao edifício, onde algumas de dezenas de agentes do serviço secreto enfileiraram barricadas.

Os manifestantes levavam cartazes com dizeres como "Parem de nos matar" e pediam justiça para George Floyd, morto quando estava algemado e desarmado.

Confrontos do lado de fora da Casa Branca foram desviados e os manifestantes seguiram caminhando pelas ruas de Washington até o Capitólio, sede do Congresso.

A violenta prisão e morte de Floyd, flagrada em um vídeo que viralizou na internet, reabriu feridas profundas em um país marcado pela desigualdade racial.

A prisão e a denúncia por homicídio culposo contra Derek Chauvin, o policial de Minneapolis que pressionou o pescoço de Floyd, aparentemente não foram suficientes para conter a revolta em Minneapolis, sacudida há três dias por atos violentos que destruíram partes da cidade.

Os manifestantes permaneciam nas ruas da cidade na noite desta sexta-feira, desafiando o toque de recolher, decretado às 20h locais (22h de Brasília).

Protestos também foram registrados em Nova York, Houston, Atlanta, Detroit, Las Vegas, San José e Memphis.

Tags: Casa Branca EUA Minneapolis protestos
A+ A-