Itália confirma sétima morte por coronavírus

Ministério da saúde italiano divulgou novo boletim informativo indicando que o número de mortes cresceu de seis para sete pessoas.

Da redação, Estadão Conteúdo,

O ministério da saúde italiano divulgou nesta terça-feira, 25, novo boletim informativo sobre o coronavírus. O comunicado oficial indica que o número de mortes cresceu de seis para sete pessoas. Ao todo, o governo italiano informa contabilizar 283 pessoas afetadas pelo vírus. A região mais afetada é a Lombardia, com 212 pessoas infectadas e seis mortes. A região do Vêneto aparece em seguida, com 38 afetados e uma morte. A região da Emília Romana apresenta 23 casos, Piemonte, 3, e a região do Lazio outras três pessoas - sendo dois turistas chineses que estão hospitalizados desde 30 de janeiro. Há pessoas infectadas, ainda, na Toscana (2), Sicília (1) e Trentino (1).

A situação na Itália chama atenção das autoridades por conta da velocidade com que as mortes passaram a ser notificadas. A emergência fez com que missas fossem canceladas no norte da Itália, tudo por conta de um decreto do ministério da saúde com validade até 1º de março. A recomendação das autoridades é "evitar, na medida do possível, frequentar lugares superlotados e participar de manifestações e eventos públicos". Cerca de 5,5 mil escolas também foram fechadas, assim como creches, cinemas, discotecas e até museus.

As mortes e o aumento de casos fez com que brasileiros relatassem ao Estado uma situação preocupante no norte do país, a região mais afetada. Há ruas vazias e corrida por máscaras que evitem de alguma forma a transmissão do vírus. Segundo o motorista de Uber brasileiro Wenderson, há dois anos em Milão, o movimento caiu ao menos 40%. “Ninguém quer saber de sair de casa." Cenas como a de El Duomo e do Ópera alla Scala fechados, famosos pontos turísticos, começam a correr o mundo. 

Curadora do Salão Satélite, mostra que ocorre paralelamente ao Salão do Móvel de Milão, Marva Griffin teve de rever seus planos de viagem. Com conferência confirmada para março, em São Paulo, ela cancelou seu compromisso. “Nossa diretoria proibiu qualquer deslocamento de nosso staff para o exterior até segunda ordem. Jamais vi situação como esta.”

O novo coronavírus já infectou mais de 80 mil pessoas em todo o mundo. Vale lembrar que a doença, por enquanto, tem maior incidência na China, onde foram relatados os primeiro casos. Somente na parte continental do país asiáticos são 2.663 mortes em 77.658 casos, principalmente na província de Hubei.

Situação no Brasil

Enquanto afirma ter controle da situação, o governo brasileiro anunciou ontem que vai monitorar passageiros vindos da Itália, mas também da França e Alemanha que apresentem sintomas. O ministro das relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou ontem ao Estado que o País acompanha a situação na Itália e seguirá as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Para entender mais sobre o novo coronavírus e seus impactos na saúde, o Estado preparou um infográfico que mostra os casos confirmados ao redor do mundo bem como uma lisrta de perguntas e respostas para orientar o leitor em caso de dúvida. Há ainda respostas para perguntas específicas sobre a situação na Itália, e para as pessoas com viagem marcada para aquele país.

Confira a lista atualizada de casos e mortes notificadas

  China: 77.658 casos e 2.663 mortes
  Macau: 10 casos
  Hong Kong: 81 casos e 2 mortes
  Coréia do Sul: 977 casos e 11 mortes
  Japão: 840 casos, 4 mortes (693 casos do navio Diamond Princess)
  Cingapura: 90 casos
  Austrália : 22 casos
  Malásia: 22 casos
  Vietnã: 16 casos
  Filipinas: 3 casos e 1 morte
  Camboja: 1 caso
  Tailândia: 37 casos
  Índia: 3 casos
  Nepal: 1 caso
  Sri Lanka: 1 caso
  Estados Unidos: 53 casos
  Canadá: 11 casos
  Itália: 283 casos e 7 mortes
  Alemanha: 16 casos
  França: 12 casos e 1 morte
  Reino Unido: 13 casos
  Rússia: 2 casos
  Espanha: 2 casos
  Bélgica: 1 caso
  Finlândia: 1 caso
  Israel: 2 casos
  Suécia: 1 caso
  Croácia: 1 caso
  Áustria: 2 casos
  Irã: 95 casos, 14 mortes
  Emirados Árabes Unidos: 9 casos
  Kuwait: 8 casos
  Omã: 2 casos
  Egito: 1 caso
  Líbano: 1 caso
  Iraque: 1 caso
  Afeganistão: 1 caso
  Bahrein: 2 casos

Tags: Saúde
A+ A-