Imagens do jornalista que atirou sapatos em Bush marcam os noticiários nesta segunda-feira

Hoje, milhares de iraquianos saíram às ruas do país para pedir a imediata libertação do jornalista.

BBC Brasil,
As imagens do jornalista iraquiano que atirou seus sapatos contra o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, durante entrevista coletiva, neste domingo, em Bagdá, marcou os noticiários desta segunda-feira (15). O vídeo, inclusive, aparece em várias versões no You Tube.
Bush, que falava ao microfone ao lado do primeiro-ministro iraquiano Nouri Al-Maliki, se abaixou rapidamente e não chegou a ser atingido.

O jornalista ainda disse: "Esse é o seu beijo de despedida do povo iraquiano, seu cachorro". Em seguida, foi imobilizado por seguranças e retirado da sala.

Após a confusão, o próprio Bush pediu calma aos jornalistas restantes e disse ter notado que os sapatos eram de tamanho 42.

O agressor já foi seqüestrado por um grupo rebelde, após a invasão liderada pelos Estados Unidos, em 2003.

As solas dos sapatos são consideradas uma ofensa grave na cultura árabe. Em várias ocasiões, iraquianos atiraram sapatos na estátua de Saddam Hussein, em Bagdá, após a queda do regime.

Nesta segunda-feira, milhares de iraquianos saíram às ruas do país para pedir a imediata libertação do jornalista.

Muntadar Al-Zaidi foi preso após a tentativa de agressão contra Bush e estaria sendo interrogado e submetido a exames.

Uma multidão se reuniu no bairro de Cidade Sadr, um reduto de muçulmanos xiitas de Bagdá, chamando Al-Zaidi de "herói" e manifestando seu apoio ao xiita.

Também houve manifestações em Najaf, cidade a cerca de 160 km ao sul da capital, e Basra (a aproximadamente 550 km a sudeste de Bagdá).

Muitos iraquianos disseram que a atitude do jornalista foi justa, incluindo os seguidores do influente clérigo xiita Moqtada Al-Sadr.

"Nós pedimos a ele (Bush) que retire (as forças americanas) do Iraque imediatamente", disse Ali Al-Husseini, que trabalha com o clérigo. "Nós também pedimos a libertação do honesto mujahid (muçulmano envolvido em uma jihad, ou guerra santa) iraquiano Muntadar Al-Zaidi por seu ato feroz e patriótico."

Comunicados
O canal de televisão para o qual Muntadar trabalha, o Al-Baghdadiya, divulgou um comunicado em que pede que ele seja libertado.

"O canal Al-Baghdadiya de televisão exige que as autoridades iraquianas libertem imediatamente seu empregado, Muntadar Al-Zaidi, de acordo com os preceitos da democracia e da liberdade de expressão que o novo regime e os americanos prometeram (respeitar)", diz a mensagem, lida por um apresentador da emissora baseada no Cairo.

O governo iraquiano considerou o incidente vergonhoso. Em um comunicado, as autoridades disseram que as ações do jornalista, que também gritou insultos contra Bush, "prejudicam a reputação dos jornalistas do Iraque e do jornalismo iraquiano em geral".

"Este colega (Al-Zaidi) se comportou de uma forma estranha e inútil, que mostrou falta de sabedoria política", comentou o vice-ministro da Cultura, Fawzi Al-Atrushi.

Assista ao vídeo:

A+ A-