EUA estão clamando por liderança, diz Kamala Harris em discurso ao lado de Biden

Senadora e o candidato a presidente fizeram a primeira aparição, em Delaware, como companheiros de chapa.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Olivier Douliery/AFP
Pré-candidatos democratas, Joe Biden e Kamala Harris, participam de primeira coletiva de imprensa juntos em Wilmington, Delaware.

Na primeira aparição ao lado de Joe Biden como candidata a vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris atacou a maneira como Donald Trump conduziu o governo durante a pandemia de coronavírus e disse que o país está "clamando por liderança". Em um pequeno evento em Wilmington, no Estado de Delaware, onde Biden vive, os dois fizeram discursos com duras críticas a Trump e tentaram passar a imagem de que têm experiência para tirar os EUA da crise assim que tomarem posse, se eleitos em 3 novembro.

"Permita-me dizer, como alguém que apresentou argumentos perante um tribunal: o caso contra Donald Trump e Mike Pence está pronto para ser julgado. Basta ver aonde eles nos levaram", disse Kamala, que foi procuradora pela cidade de São Francisco e pelo Estado da Califórnia, antes de ser eleita ao Senado, em 2016. A recessão econômica vivida pelos EUA e a crise de saúde, segundo Kamala, são resultado do "fracasso de Trump de levar a situação a sério desde o início".

Biden e Kamala chegaram ao evento usando máscaras. Tiraram a proteção facial apenas na hora de falar. Os democratas buscam mostrar a diferença no enfrentamento do vírus, na comparação com os republicanos. Por isso, os presentes no pronunciamento que marca uma nova fase da campanha presidencial eram basicamente apenas jornalistas.

A campanha democrata insiste na retórica de que Biden e Kamala têm experiência e competência. "Estou pronta para trabalhar", garantiu a senadora, que disse que Trump "não está à altura para o posto" e por isso deixou os EUA e a reputação do país "em frangalhos".

"A recusa dele em colocar os testes em funcionamento. A mudança dele sobre distanciamento social e uso de máscaras. A crença delirante de que ele sabe mais do que os especialistas. Tudo isso é o motivo que faz um americano morrer de covid-19 a cada 80 segundos", disse.

Já Biden classificou a eleição como um ponto de inflexão e uma possibilidade de "mudança de vida". Ao apresentar Kamala, disse que ela está "pronta para trabalhar desde o dia 1". Ele comemorou o recorde de doações feitas para a campanha nas 24 horas após a indicação do nome de Kamala Harris e disse que a escolha foi elogiada por pessoas de "todas as ideologias", exceto Trump e seus aliados.

"Vocês sabiam que viria", disse Biden. "Alguém está surpreso que Donald Trump tem um problema com uma mulher forte e com mulheres fortes de uma maneira em geral?", disse Biden, prometendo que ele e Kamala poderão "consertar" a bagunça feita pelo governo Trump "em casa e no exterior".

Biden e Kamala mostraram boa química no palco, com um momento emocional sobre a ligação da senadora com Beau Biden, filho do ex-vice presidente que morreu em 2015 em decorrência de um tumor no cérebro. "Minha campanha sempre foi assunto familiar", disse Biden. "Kamala, você tem sido uma 'Biden' há algum tempo", disse o democrata, ao afirmar que Beau era amigo e admirador do trabalho de Kamala. Os dois foram contemporâneos como procuradores-gerais. Ela na Califórnia e ele, em Delaware.

Kamala disse que conversava todos os dias por telefone com Beau. Segundo ela, o colega inspirava as pessoas a ser "a melhor versão delas mesmas", um ensinamento que ele disse ter aprendido com o pai. A senadora lembrou que Biden cuidou dos filhos Beau e Hunter depois que a primeira mulher e sua filha de 13 meses morreram em um acidente de trânsito.

"Biden é alguém cuja primeira reação quando as coisas ficam difíceis não é pensar sobre si mesmo, mas cuidar de todos os outros", disse Kamala, ainda comentando a história pessoal do ex-vice-presidente.

A história não só humaniza Biden e revela a ligação pessoal dos dois companheiros de chapa, como é usada por Kamala para fazer o contraponto do democrata a Trump. O atual presidente, disse ela, "se importa mais com ele mesmo do que com quem o elegeu" e "está tornando todo desafio ainda mais difícil de resolver".

Primeira mulher negra a concorrer por um grande partido à vice-presidência americana, Kamala lembrou de sua história pessoal e disse que seus pais, imigrantes, se conheceram nos EUA marchando pelos movimentos civis. Entre seus compromissos, ela prometeu lutar contra o racismo e assegurar que toda a mulher tem direito a decidir sobre seu próprio corpo. "A história dela é a história da América", disse Biden.

Ao final, Kamala fez um apelo e disse que os democratas precisam de "mais do que uma vitória, precisam de um mandato". Os dois trabalham por uma coalizão que garanta a vitória em escala grande o suficiente para rebater os questionamentos de Trump, que já tem questionado a legitimidade das eleições deste ano.

Tags: Estados Unidos
A+ A-