China liberta jornalista do 'New York Times'

Zhao, de 45 anos, trabalhava como assistente de pesquisa do NYT na China.

BBC Brasil,
BBC Brasil
Zhao Yan, assistente de pesquisa do NYT, passou três anos na prisão.
O jornalista chinês Zhao Yan, que trabalhava como colaborador do jornal americano The New York Times, foi libertado na manhã deste sábado (noite de sexta-feira pelo horário de Brasília) depois de passar quase três anos preso na China.

Zhao, de 45 anos, trabalhava como assistente de pesquisa do New York Times na China.

Em setembro de 2004, ele foi preso depois que o jornal publicou uma nota sobre rivalidades políticas entre os líderes chineses.

O jornalista foi acusado de revelar segredos de Estado.

O caso provocou protestos por parte de organizações de defesa dos direitos humanos e de governos ocidentais, que exigiam a libertação de Zhao e afirmavam que as acusações contra ele tinham motivação politica.

Mais tarde, a acusação de revelar segredos de Estado foi retirada, mas Zhao foi condenado a três anos de prisão por fraude. O jornalista sempre negou as acusações.

Dificuldades

Ao ser libertado, Zhao se reencontrou com familiares e amigos. Segundo sua irmã, ele estava bem. O jornalista preferiu não fazer nenhuma declaração.

Segundo o correspondente da BBC James Reynolds, em Pequim, o New York Times afirmou estar muito satisfeito com a libertação de Zhao.

De acordo com Reynolds, o jornal americano diz que o único crime de Zhao parece ter sido o de praticar o jornalismo.

Organizações de direitos humanos afirmam que o caso de Zhao mostra como é difícil para os jornalistas chineses relatar o que realmente ocorre no país, afirma Reynolds.

A organização Repórteres Sem Fronteiras calcula que mais de 80 jornalistas e autores de blogs chineses estejam presos.
A+ A-