Assassinato de menino de 11 anos choca Grã-Bretanha

Dois adolescentes, de 14 e 18 anos, foram presos em conexão com o assassinato.

BBC Brasil,
O assassinato de um menino de 11 anos a tiros chocou a Grã-Bretanha e reacendeu o debate sobre o aumento da violência com armas de fogo no país.

Rhys Jones voltava para casa a pé, depois de jogar futebol com os amigos no bairro de Croxteth, em Liverpool, quando foi atingido na nuca por disparos feitos por um jovem numa bicicleta.

A mãe do menino, Melanie Jones, chegou ao local a tempo de segurar o filho nos braços, enquanto os paramédicos tentavam salvar sua vida.

"Ele não acordou. Ele estava lá, deitado em uma poça de sangue. Eles tentaram reanimá-lo por uma hora e meia, mas o corpinho dele não agüentou", disse ela durante uma entrevista à imprensa.

Dois adolescentes, de 14 e 18 anos, foram presos em conexão com o assassinato, mas foram libertados pouco tempo depois. A polícia criou uma linha especial para denúncias anônimas por mensagens de texto de celular.

"Acreditamos que o assassino tenha entre 13 e 15 anos de idade e estamos tentando encontrar maneiras para que as pessoas nos digam se viram alguma coisa, se sabem a identidade do assassino ou onde ele está se escondendo", disse O chefe da polícia Simon Byrne à BBC.

Repercussão
O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, classificou o assassinato de "um crime atroz que comoveu o país inteiro".

A morte de Rhys Jones foi destaque dos principais jornais britânicos nesta sexta-feira (23).

O Daily Telegraph dedicou suas primeiras sete páginas ao assunto e afirmou que os residentes do bairro de classe média onde Rhys vivia "estavam se sentindo cada vez mais ameaçados".

"Ele era um menino inteligente de uma família respeitável e trabalhadora. Louco por futebol e fã de jogos de computador, Rhys Jones não tinha tempo para as violentas gangues de jovens que perambulavam pelas ruas perto de onde ele morava", diz o jornal.

O jornal sensacionalista The Sun diz que o menino foi "vítima da anarquia" no país e que "o brutal assassinato de Rhys Jones prova que a Grã-Bretanha está perdendo a batalha contra a cultura das armas e gangues".

Este ano, oito crianças e adolescentes foram mortos na Grã-Bretanha com armas de fogo, seis deles em Londres.

"É a evolução...de punhos a facas, de facas a armas", disse um veterano de gangues ao jornal The Guardian.

Segundo outro criminoso citado pelo jornal, "para os da velha guarda, armas são usadas para negócios, enquanto para os mais jovens, as armas são acessórios de moda".
A+ A-