África do Sul faz recall de 20 milhões de camisinhas

Fabricante teria pago suborno para aprovar lote defeituoso.

BBC Brasil,
BBC Brasil
Ministério da Saúde está recolhendo 20 milhões de preservativos.
O ministério da Saúde da África do Sul determinou um recall de milhões de preservativos com defeito distribuídos como parte de um programa governamental.

A companhia que produziu os preservativos teria supostamente subornado um funcionário público para conseguir a certificação da qualidade do produto.

Todos os anos, o governo sul-africano distribui centenas de milhões de preservativos numa tentativa de controlar tanto a taxa de natalidade quanto a proliferação de doenças sexualmente transmissíveis.

O ministério da Saúde está agora recolhendo 20 milhões desses preservativos, produzidos pela companhia Zalatex.

Ministra polêmica

O governo determinou o recolhimento após a empresa ter sido acusada de subornar um funcionário da agência de padrões sul-africana para conseguir a aprovação de um lote defeituoso de preservativos.

Quase 4 milhões de preservativos estariam com defeito, mas o governo decidiu recolher todas as unidades produzidas pela Zalatex.

Acredita-se que cerca de 5 milhões de sul-africanos estejam infectados com o vírus HIV, causador da Aids – o país é o segundo no mundo em quantidade de infectados, atrás somente da Índia.

O recall dos preservativos ocorre em meio a uma polêmica envolvendo a Ministra da Saúde, Manto Tshabalala-Msimang, acusada de passar à frente da fila para se submeter a um transplante de fígado.

Além disso, ela também é criticada por sua estratégia de controle do vírus da Aids, já que ela contesta a eficácia do tratamento com antiretrovirais e defende o uso de terapias tradicionais, como a ingestão de alho, limão e beterraba.
A+ A-