Trabalho do ITEP pode colocar fim ao sofrimento de quatro anos de uma família

Equipe de Antropologia e Arqueologia Forense localizou restos humanos no Pico do Cabugi que podem ser de homem desaparecido em 2016.

Da redação, ITEP,
Tiago Tadeu/Itep
Profissionais do Itep subiram cerca de 50 minutos no Pico do Cabugi, em Angicos, e conseguiram encontrar restos humanos em local de difícil acesso.

Uma das grandes inovações incorporadas no âmbito da perícia criminal do Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep), a equipe de Antropologia e Arqueologia Forense, desenvolveu mais um trabalho de destaque no Rio Grande do Norte que pode ajudar a acabar com o sofrimento de quatro anos de uma família.

Nos últimos dias, os profissionais realizaram uma subida de cerca de 50 minutos no Pico do Cabugi, município de Angicos, e conseguiram encontrar restos humanos em local de difícil acesso. 

A equipe procedeu aos trabalhos de prospecção perícia e coleta qualificada dos vestígios, com auxílio de um drone.

Através dos vestígios humanos encontrados e posterior comparação por exame de DNA, será possível identificar e confirmar se a suposta vítima é uma pessoa que sumiu em agosto de 2016 e que até então a família não sabia o que tinha acontecido com ela. 

O homem, que na época tinha 60 anos, teria saído de Natal e ido até o Pico do Cabugi para pagar uma promessa, mas não foi mais visto depois disso.

A Antropologia Forense desenvolve um trabalho que requer o uso de várias técnicas, como pesquisa de terreno, análise e descrição do local, escavação, coleta e preservação de ósseos humanos, possibilitando indicar tempo, causa da morte e quem é a pessoa que se procura descobrir.

Tags: Angicos Itep Pico do Cabugi
A+ A-