Governo do RN foi lesado por grupo criminoso em compra de respiradores

Através do Consórcio Nordeste, Estado caiu em golpe de estelionatários na aquisição dos equipamentos.

Rafael Araújo,
Divulgação / Polícia Civil da Bahia
Polícia Civil baiana cumpriu mandados em Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro e no Distrito Federal, contra grupo que aplicou golpe no Consórcio Nordeste.

SELO-CORONA-100O Governo do Rio Grande do Norte foi um dos nove estados nordestinos lesados por estelionatários na compra de respiradores mecânicos através do Consórcio do Nordeste. A informação foi confirmada ao portal Nominuto.com pelo secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, em coletiva de imprensa online realizada na manhã desta segunda-feira (1) sobre a operação Ragnarok.

“Todos os estados da região foram lesados por este grupo criminoso na compra de respiradores através do Consórcio Nordeste. O comitê denunciou a empresa contratada à Polícia Civil após o não cumprimento dos prazos para entrega dos equipamentos. Com isso, iniciamos as investigações e chegamos a indícios de que se tratava de uma fraude”, revelou Maurício Barbosa.

A reportagem entrou em contato com as assessorias de comunicação do Governo do Estado e da Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), para informar detalhes sobre o valor do contrato firmado por intermédio do Consórcio Nordeste, mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria. O espaço segue aberto para esclarecimentos. 

A Polícia Civil baiana já cumpriu três mandados de prisão e 15 de busca e apreensão em Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro e no Distrito Federal, contra quadrilha que fraudou a venda de equipamentos hospitalares até a manhã de hoje.

A operação, coordenada pela Secretaria da Segurança Pública da Bahia, através da Superintendência de Inteligência, conta com a participação da Polícia Civil da Bahia, através da Coordenação de Crimes Econômicos e Contra Administração Pública, da Polícia Civil de SP, do Distrito Federal e do Ministério Público da Bahia. Mais de 150 contas bancárias vinculadas ao grupo foram bloqueadas pela Justiça.

Tags: Saúde
A+ A-