CPI da Covid no RN é eleitoreira, afirma o deputado Francisco do PT

Parlamentar destaca que Assembleia possui três instâncias para fiscalizar os atos do governo e a oposição abriu mão delas.

Da redação,
Gerlane Lima
Deputado estadual Francisco do PT, líder do governo na Assembleia, durante entrevista ao Jornal 96, na manhã desta quarta-feira.

O líder do Governo Fátima na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, deputado Francisco do PT, afirmou nesta quarta-feira (16), em entrevista ao Jornal 96, que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os atos do governo no enfrentamento à pandemia da covid-19, proposta por deputados da oposição, possui caráter eleitoreiro.

Segundo o parlamentar, a AL dispõe de três instâncias para fiscalizar os atos do governo estadual: “Temos a Comissão de Fiscalização e Finanças, formada majoritariamente por deputados de oposição, a Comissão de Acompanhamento às Ações de Enfrentamento ao Coronavírus, criada no ano passado, a pedido da oposição e com maioria oposicionista e presidida pelo deputado Kelps Lima até antes do período eleitoral, e a Comissão de Saúde”, e a oposição abriu mão de todas elas. E agora, às vésperas de uma eleição, surge esse pedido de CPI, argumentou.

Questionado sobre o mérito do pedido de instalação da CPI protocolado por 10 deputados estaduais junto à Mesa Diretora da Assembleia, Francisco do PT respondeu que esse agora não é o momento de analisá-lo. “Para que uma CPI seja instalada, antes de se discutir o mérito, é preciso que sejam cumpridos os pré-requisitos regimentais, que na nossa opinião não foram cumpridos. Tanto não foram que a bancada de oposição está falando agora em corrigir, em fazer ajustes no pedido. Só se corrige aquilo que está errado”, rebateu.

O parlamentar explicou que o Governo do Estado está tranquilo quanto à possibilidade de abertura de uma CPI, uma vez que durante o enfrentamento à pandemia vem agindo de forma correta. Ele lembrou que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) já se manifestou favoravelmente ao governo no caso da compra de respiradores, por intermédio do Consórcio Nordeste, e que não foram entregues pela empresa fornecedora, e em relação à contratação de ambulâncias.


Confira a entrevista:


Tags: entrevista Francisco do PT Jornal 96
A+ A-