Internet faz mercado da TV paga crescer no RN

Levantamento divulgado em outubro aponta que 5,5 milhões de domicílios dispõem de TV paga. No RN, esse número chega a 47 mil.

Thyago Macedo,
Dois fatores têm contribuído para o aumento das assinaturas de tevês a cabo no Brasil: o crescimento dos acessos à internet banda larga e a baixa qualidade da programação das tevês abertas.

No Rio Grande do Norte, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) calcula que, até o início deste ano, o número de domicílios que dispõem de tevê paga chegou a 47 mil. No entanto, como as estatísticas de 2008 ainda não foram finalizadas, a Anatel acredita que tenha havido um crescimento neste número. 

Para as empresas do setor, esses dados são vistos com otimismo, principalmente depois que a Associação Brasileira de Tevê por Assinatura (ABTA) divulgou um relatório nacional, em outubro, apontando que o total de assinantes cresceu 12,7% em relação a 2007, chegando a 5,5 milhões de domicílios em todo o Brasil. 

De acordo com a ABTA, essa quantidade de assinantes indica um faturamento bruto da indústria de R$ 2,2 bilhões (incluindo o faturamento publicitário), o que significa um incremento de 24% em relação ao mesmo período de 2007. 

No Rio Grande do Norte, quatro empresas oferecem os serviços de tevê paga, duas delas em Natal, uma na cidade de Mossoró e outra em Currais Novos. A reportagem conversou com o gerente geral de uma operadora, Aldo Silva, e constatou que o crescimento também se confirma no Estado. 

"O que a gente observa é que a estabilidade econômica, o aumento da massa salarial e o barateamento de tevês de plasma e LCD têm contribuído para esse crescimento. O mesmo fenômeno é observado em relação à internet banda larga. Hoje as facilidades para se comprar um computador são altas. Com isso, uma coisa tem puxado a outra. Antes, a tevê por assinatura impulsionava a internet. Agora, essa relação se inverteu, mas os dois serviços caminham lado a lado", destacou Silva. 

Segundo o gerente, a interação entre os serviços é um diferencial que gera fidelização dos consumidores. Isso deverá aumentar ainda mais o número de assinaturas a partir do próximo ano com o lançamento do sistema triploplay. "Esse sistema já é usado em São Paulo e no Rio de Janeiro. Ele oferece vídeos, dados e voz, ou seja, tevê, internet e telefonia", afirma. 

Aldo Silva explicou que esse processo de digitalização dos serviços vai gerar um grande impacto. "Assim como a mudança da imagem em preto e branco para em cores revolucionou o mercado na década de 70, a tevê de alta definição também terá um forte impacto no próximo ano. Outro fator importante é a interatividade que esse sistema traz", frisa. 

Ainda de acordo com os números divulgados pela Associação Brasileira de Tevê por Assinatura, os usuários de internet em alta velocidade somaram 2,1 milhão, 52% a mais que o registrado no segundo trimestre do ano passado. 

O professor Alexandre Santos, do curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), explica que os principais fatores que contribuem para a migração da população para as tevês pagas são as variedades de programação e os recursos tecnológicos oferecidos pelas empresas de comunicação. 

"Sem dúvida, a possibilidade de você poder trocar de canal e ter outras opções de programação se torna um grande atrativo para os serviços por assinatura. Isso porque infelizmente, nossos canais abertos têm a distribuição deficiente em suas grades de programas, e os de má qualidade acabam ganhando destaque em detrimento dos de boa qualidade, que são encaixados em horários impróprios, com registro de baixa audiência. Com isso, quem tem condições financeiras opta pela variedade", afirma. 

Com as facilidades e o crescimento no setor de internet banda larga e tevêss por assinatura, a Agência Nacional de Telecomunicações ressalta que realiza uma fiscalização constante a essas empresas. O gerente adjunto da Anatel-RN, Djanilton Fernandes Rêgo, explicou que o órgão estabelece parâmetro de qualidade. 

"Isso é feito através do Sistema de Acompanhamento das Obrigações das Prestadoras de Tevê por Assinatura (SATVA). Com isso, existem algumas determinações como atendimento de qualidade ao consumidor e quantidade de reclamações. Tudo isso é fiscalizado pela Anatel junto às empresas", destacou Djanilton. 

De acordo com o último relatório divulgado pela Associação Brasileira de Tevê por Assinatura (ABTA), o setor de tevês por assinatura registrou ainda 16 mil empregos, um aumento de 28% em relação ao segundo trimestre do último ano. O crescimento na geração de trabalho também foi registrado no Rio Grande do Norte. A empresa gerenciada por Aldo Silva informou que, atualmente, emprega 232 funcionários diretos e 52 indiretos.
A+ A-