Aftosa: auditoria começa na segunda-feira (27)

Os fiscais do Ministério da Agricultura e Pecuária devem chegar neste domingo a Natal. O resultado da auditoria deve sair em 120 dias.

Karla Larissa,
Pode ser dessa vez que o Rio Grande do Norte mude de status com relação ao risco de febre aftosa. A nova auditoria está confirmada para ser realizada, nesta segunda-feira (27), e o resultado deverá sair em 120 dias.

De acordo com o diretor geral do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado (Idiarn), Romildo Freire Pessoa, existe uma grande expectativa em torno dessa auditoria, principalmente, porque desta vez os fiscais que irão fazer a avaliação conhecem a realidade do Estado, diferente dos fiscais que realizaram a última auditoria, que eram do Paraná. “Isso facilita na interpretação do status”, explica.

Outro ponto positivo para o Estado, na avaliação de Pessoa, será a postura do Governo do Estado diante da suspeita de foco de aftosa, além dos exames para avaliar a suspeita terem tido resultado negativo. “Isso demonstra que o Estado tem condições de controlar um provável foco, a capacidade operacional em atendimento de emergência”, destaca.

Segundo Pessoa, o Estado vem se preparando durante os últimos anos, cumprindo as exigências do Ministério, principalmente, os 13 pontos recomendados pelo coordenador nacional da febre aftosa, que já foram cumpridos. “O Governo já fez muita coisa, criou o Idiarn, estruturou e desenvolveu todos os padrões de procedimentos. Mas eles que avaliam”, enfatiza.

Para Pessoa, o único ponto fraco do Estado é o quadro de médicos veterinários, que precisa ser ampliado e que para isso já tem concurso previsto. “Estamos confiantes, se não tivéssemos motivação para isso, não teríamos pedido uma auditoria. Nós nos sentimos aptos”, salienta.

Festa do Boi

O prazo de 120 dias para sair o resultado da auditoria inviabiliza a mudança de status antes da Festa do Boi. Mas, na opinião de Romildo, isso não vai prejudicar o evento. “Há 30 anos realizamos a Festa do Boi no mesmo status, então espero que a festa seja boa, logicamente, que com a mudança, criadores poderiam vender para novos mercados”, finaliza.
A+ A-