Com setor já em crise, Abdon Gosson diz que suspensão de voos para os EUA não traz impacto

Com alta do dólar e pandemia da covid-19, empresário acredita que retomada do mercado deve ocorrer só em setembro.

Rafael Araújo,
Arquivo/Nominuto
Já impactado pela crise provocada pela covid-19, turismo do RN não deve sentir os efeitos do cancelamento de voos para os EUA.

O setor de turismo do Rio Grande do Norte não deve sofrer impacto significativo por causa da suspensão de voos do Brasil com destino aos Estados Unidos (EUA). É o que avalia Abdon Gosson, proprietário da agência de turismo Arituba.

Segundo o empresário, o mercado não irá sofrer com essa decisão do presidente americano Donald Trump porque já foi atingido pela crise provocada pelo novo coronavírus (covid-19) e também por causa da alta do dólar.

“Não vai impactar em quase nada, primeiro porque a covid-19 atingiu drasticamente o setor, segundo porque o dólar está muito alto. Em relação à pandemia, enquanto não houver vacina, não haverá procura”, destacou.

Abdon Gosson disse ainda que a retomada do turismo internacional será a mais demorada. “Primeiro as pessoas vão procurar viajar para cidades e estados próximos, na região. Só depois que haverá uma demanda nacional e por último, a nível nacional”, comenta.

Sobre a possibilidade de retomada do turismo no Estado, o empresário estima que o mercado só voltará a ter demanda próximo ao fim do ano.“Acho que só a partir de outubro, novembro, ou dezembro que podemos começar a ter uma retomada de cerca de 40% da demanda”, conclui Gosson.

Suspensão de voos

Está suspensa a entrada nos Estados Unidos de qualquer estrangeiro ou de brasileiro que tenha estado no Brasil no período de 14 dias antes do pedido de entrada no país norte-americano. A medida tomada pelo presidente Donald Trump visa frear o aumento do contágio pela covid-19.

A medida não se aplica a cidadãos norte-americanos ou residentes permanentes legais e entra em vigor à 00h59 (meia-noite e cinquenta e nove) de 29 de maio deste ano, horário de Brasília. A proclamação presidencial também não se aplica a pessoas a bordo de voos programados para chegar nos EUA que tenham partido antes desse horário no dia 29 de maio.

Em março, o Brasil implementou restrições semelhantes à entrada de estrangeiros, inclusive dos EUA, prorrogando a medida por duas vezes desde então. As restrições que continuam em vigor são medidas de saúde pública para reduzir o potencial de transmissão do vírus.

Atualmente, o Brasil está em segundo lugar no número de casos confirmados da covid-19, perdendo justamente para os Estados Unidos, que já contabilizam mais de um milhão e seiscentos mil casos e quase cem mil mortos.

Tags: Economia
A+ A-