Candidaturas devem observar questões jurídicas e contábeis, alerta advogado

Especialista em Direito Eleitoral, Kennedy Diógenes, diz que fiscalização deverá ser rigorosa.

Flávio Oliveira,
Reprodução
Especialista em Direito eleitoral, advogado Kennedy Diógenes, conversou com o jornalista Diógenes Dantas, no Diário da Manhã.

A campanha eleitoral em todo o Brasil teve início oficial nesse domingo (27) e o as eleições deste ano trouxeram um número recorde de candidaturas registradas. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, o País teve 545.598 pedidos de registros. O advogado e especialista em Direito Eleitoral, Kennedy Diógenes, conversou sobre o tema no Diário da Manhã desta segunda-feira (28).

“Com o fim das coligações proporcionais nós tínhamos uma estimativa de que ultrapassaria os 500 mil, meio milhão de candidatos. Porque na última eleição, em 2016, o TSE revelou que houve uma participação já de 496 mil candidatos para prefeito, vice-prefeito e vereadores. Então nós tínhamos essa expectativa de que aumentasse significativamente, mas não ultrapassando a barreira com quase 550 mil candidatos. Realmente foi uma surpresa. É bom para democracia. Vários candidatos oferece mais poder de escolha para os eleitores”, disse

Kennedy Diógenes, que é autor do livro “O Processo e o Direito Eleitoral”, alertou também para uma preocupação importante que os candidatos terão que observar, não apenas durante a campanha. “A quantidade de candidatos que tem hoje, muitos deles estão de olho no que pode ou que não pode fazer. Porque se sabe desde 2015, com a reforma eleitoral, que o grande diferencial das campanhas não é nem tanto a questão de você dar visibilidade ao que você pensa, aos projetos políticos, mas se tem trabalhado muito a parte jurídica e contábil nessas candidaturas”, afirma.

O especialista ilustra esses pontos relevantes das candidaturas com a média de cassações ocorridas por irregularidades em todo o Brasil. “De 2012 a 2016, a Justiça eleitoral cassou um prefeito a cada 8 dias. É um número significativo. Então, realmente é uma coisa que precisa ter muito cuidado e hoje os candidatos sabem que precisam fiscalizar os outros”, afirmou Kennedy.


Confira a entrevista na íntegra:


Tags: Diário da Manhã
A+ A-