Brasil cai para 107º lugar em ranking mundial de liberdade de imprensa

Levantamento da ONG Repórteres Sem Fronteiras aponta ataques de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro a jornalistas.

Da redação, Estadão Conteúdo,

liberdade-imprensa-pA ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) divulgou o ranking de liberdade de imprensa de 2020. Na edição deste ano, o Brasil perdeu duas posições e agora ocupa o 107ª lugar entre os 180 que compõem a lista.

“O presidente Jair Bolsonaro insulta e ataca sistematicamente alguns dos jornalistas e meios de comunicação mais importantes do país, o que estimula aliados a fazerem o mesmo, alimentando um clima de ódio e desconfiança para com os diferentes atores da informação.”, argumenta a ONG, que destaca que a vulnerabilidade de jornalistas é maior entre mulheres.

O País mantém uma tendência de queda, ano passado já havia caído duas posições. A metodologia do ranking baseia-se num sistema de pontos que analisa pluralismo, independência, ambiente e autocensura, arcabouço jurídico, transparência e qualidade das infraestruturas de apoio à produção de informações.

“Na América Latina, assim como em outras partes do mundo, os ataques físicos à profissão costumam ser acompanhados de campanhas de assédio cibernético, ou cyberbullying, realizadas por exércitos de trolls e/ou apoiadores dos regimes autoritários. Esses métodos de censura online estão proliferando perigosamente e são particularmente violentos contra as mulheres jornalistas.”, afirma a RSF.

Tags: Brasil liberdade de imprensa queda em ranking mundial
A+ A-