Servidores da Saúde estão sem vales-transporte há três meses

Denúncia foi feita por representantes dos sindicatos que receberam uma circular dividindo os trabalhos em dias alternados. MP foi acionado por servidores.

Geraldo Miranda,
“Nossa missão é servir com excelência, ética e eficiência, contando com servidores competentes e valorizados, primando o respeito ao cidadão e ao meio ambiente, contribuindo para fazer de Natal uma cidade cada vez mais humana, socialmente mais justa, solidária e sustentável, com a melhor qualidade de vida para a população”, esta é a missão da Prefeitura do Natal, porém nem tudo é belo e comprometido como neste texto.

Principalmente quando se trata da valorização dos servidores e do respeito ao cidadão, pois a Prefeitura do Natal já esta há três meses sem pagar os vales-transporte aos servidores da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). E no último dia 17 de novembro foi emitido o memorando circular de número 047, onde os servidores receberam uma nova escala trabalho.

O memorando foi assinado pela secretária municipal de Saúde, Maria do Perpétuo Socorro, onde questões administrativas impediram a recarga dos cartões de passagens. De acordo com a circular foi organizado com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Natal (Sinsenat), o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Rio Grande do Norte (Sindsaúde) e Sindicato dos Agentes de Saúde (Sindas) a reorganização de uma nova escala de serviços temporários para minimizar o problema da falta de passagens.

Reprodução

As unidades básicas teriam que se organizar em escalas nas segundas, quartas e sextas e na semana seguinte nas terças e quintas onde outra equipe renderia o horário da semana anterior. Já as Unidades de Pronto Atendimento e Maternidades deverão refazer suas escalas em comum acordo e a enviar ao Departamento de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (DGTES) da Secretaria Municipal de Saúde.

Ficou determinado também que todos os setores deverão funcionar diariamente e que os servidores residentes na área de abrangência da unidade não deverão entrar na escala de serviço e sim trabalhar normalmente, esta recomendação também foi repassada a todos os estagiários.

De acordo com o secretário do Sindas, Cosmo Mariz, esta situação vem se complicando, pois os servidores vêm retirando do próprio bolso o dinheiro para pagar as passagens. “Nós estamos aqui trabalhando e tirando do próprio bolso, porque a Prefeitura alega uma dívida com o Seturn. Estamos aqui fazendo o máximo que podemos, mas o atendimento será prejudicado em algum momento e a população pagará o preço”, comentou.

O secretário comentou também que foi realizada recentemente uma mediação na Delegacia Regional do Trabalho, onde o representante da SMS informou que se os servidores não comparecessem ao trabalho o ponto seria cortado. Cosmo Mariz também informou que os 6% referentes aos vales vem sendo descontados e que os servidores não recebem passagens há três meses. “Estamos aqui tentando entender o que está acontecendo, pois os descontos estão sendo feitos, porém ninguém recebe os vales. É um absurdo a falta de compromisso com as categorias que querem trabalhar”, desabafa.

Os representantes dos sindicatos levaram ao Ministério Público a denúncia sobre a questão dos vales e a promotora da Saúde, Elaine Cardoso, já está realizando os procedimentos legais para a instauração do inquérito. E nesta sexta-feira (2) os representantes do Sindsaúde irão realizar um ato público em frente ao prédio da Prefeitura do Natal, às 9h, para cobrar os vales-transporte em atraso.

A+ A-