Servidores da Justiça estadual realizam paralisação de advertência

Paralisação tem como objetivo protestar contra 'tratamento desigual' exercido pelo presidente do TJ/RN.

Karla Larissa,
O sindicato dos servidores do Poder Judiciário (Sisjern) realizou uma paralisação de advertência, na tarde desta quarta-feira (12), em frente ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte. Os servidores decidiram que vão entrar com um Mandado de Segurança contra a portaria do presidente do TJ-RN, desembargador Oswaldo Cruz, que determinou um expediente de oito horas.  Antes, o expediente era de seis horas.

A categoria, que reúne cerca de dois mil servidores, consultou o Conselho Nacional de Justiça e recebeu o aval para entrar com o mandado. A portaria do desembargador só muda o horário para os servidores da Comarca e não para os do Tribunal. Por isso, eles reclamam que estão tendo tratamento diferenciado.

De acordo com o diretor de comunicação do Sisjern, Bernado Fonseca, o turno de oito horas é impraticável, pois não há computadores, cadeiras, birôs ou espaços suficientes para juntar os dois turnos. “Não terá produtividade. Os servidores irão trabalhar insatisfeitos e não terão condições de dar atendimento à população”, afirma.

Segundo Bernado, a principal reclamação dos servidores é porque o novo horário foi imposto sem que fossem dadas as condições de trabalho. “Não será dado auxílio-alimentação ou transporte.”
A+ A-