Pensionistas do IPERN têm 30 dias para regularizar cadastro

Caso não atualizem os dados, os pensionistas terão o pagamento suspenso. O IPERN irá publicar um edital com o nome dos pensionistas informando a suspensão da pensão.

Gabriela Duarte,
Cerca de 841 pensionistas terão seus pagamentos bloqueados pelo Instituto de Previdência dos Servidores do Estado (IPERN) por não terem atualizado seus dados no censo previdenciário, realizado em agosto deste ano.

De acordo com o presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado (IPERN), Aluisio Lacerda, os censos previdenciários são realizados periodicamente, como determina a lei federal nº 9717, de 1998, que rege os regimes da previdência.

Casos comuns
Aluisio Lacerda explica que quando ocorre um óbito, o familiar deve tirar a certidão de óbito em cartório num período de até 15 dias, passado esse período, elas tem que pagar pela certidão, “o problema é que as pessoas ficam abaladas com o óbito e acabam esquecendo de ir ao cartório e depois não querem pagar pela certidão, e isso acaba prejudicando o levantamento do Sistema de Informação de Óbitos”.

“O Sistema de Informação de Óbitos, administrado pelo INSS, especifica que os cartórios informem os números de óbitos no dia 10 de cada mês. Esse levantamento fica prejudicado quando as pessoas não tiram a certidão”, acrescentou o presidente do IPERN.

Segundo Aluisio Lacerda, outro problema na atualização de dados é que muitas pessoas que herdam as pensões moram em outras cidades e algumas vezes não tomam conhecimento do recadastramento, “se essas pessoas não aparecem de jeito nenhum num prazo de 30 dias, o IPERN irá publicar um edital com o nome dos pensionistas informando a suspensão da pensão, por enquanto só está bloqueado”, alertou.

Documentos
Para o recadastramento, o pensionista precisa apresentar o CPF, RG e comprovante de residência.  Os documentos devem ser entregue em uma das unidades do IPERN, nas cidades de Natal, Mossoró, Caicó e Currais Novos, as Centrais do Cidadão das cidades de Alexandria e Caraúbas, ou as que residem em outras cidades, podem se dirigir a uma agência dos Correios, onde será preenchida uma declaração que será enviada ao IPERN.

“Essa atualização é importante, pois às vezes precisamos entrar em contato com o pensionista e não conseguimos localizá-lo, devido ao endereço desatualizado. Só a cidade de Natal concentra 70% do total de pensões pagas pelo IPERN.”, disse Aluisio Lacerda.

Estão com o pagamento suspenso, os pensionistas com final de matrícula 1 a 3, que não fizeram o recadastramento. Em outubro será a vez do recadastramento dos pensionistas com final de matrícula 7 a 9. No último mês do censo, novembro, os de matrícula com final zero.
A+ A-