Festa do Boi: 300 mudas nativas foram plantadas para neutralizar emissão de gás carbônico

Ação é a primeira do Proclima,plano de enfrentamento aos efeitos das mudanças climáticas no planeta do Governo do Estado.

A primeira semente do Proclima, plano de enfrentamento aos efeitos das mudanças climáticas no planeta do Governo do Estado foi plantada nesta terça-feira (16). 

O governador em exercício e secretário estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Iberê Ferreira de Souza participou da solenidade de plantio de mudas de árvores nativas, no Parque Aristófanes Fernandes, em Parnamirim, onde está sendo realizada a 45ª Festa do Boi. A medida tem o objetivo de neutralizar a quantidade de gás carbônico que será emitido durante a festa.

“Estamos trabalhando para que o Rio Grande do Norte se transforme no primeiro Estado do Brasil a anular a emissão de gases poluentes, lançando mão de medidas como esta, o que é importante para o turismo e para o desenvolvimento sustentável”, revelou Iberê Ferreira.

Segundo ele, esse tipo de ação será repetida em outros eventos, como o Carnatal, em dezembro. Disse ainda que o Proclima prevê medidas semelhantes em todo o Estado, divulgando procedimentos para o manejo correto da Mata Atlântica e manejo racional da lenha, por parte, por exemplo, da indústria cerâmica e padarias.

Segundo levantamento de técnicos do Idema e da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), durante o período de realização da Festa do Boi serão emitidos 157 toneladas de gás carbônico, com a geração de eletricidade por óleo diesel ou com a poluição do ar através de automóveis ou manejo de resíduos dos animais. Para neutralizar a emissão desses gases poluentes, portanto, são necessárias 241 novas árvores. O Governo do Estado, por intermédio da Semarh, promoveu o plantio de 300 árvores nativas, como Ipê e Pau Brasil. Nesta solenidade, foram plantadas as dez primeiras mudas.

Pelo processo conhecido como fotossíntese, o gás carbônico liberado na queima de combustíveis para a atmosfera é absorvido pela planta e transformado em oxigênio, purificando o ar. “O Proclima não é um programa do Governo do Estado; é um programa do Estado do Rio Grande do Norte, que deve congregar toda a sociedade”, enfatizou o secretário extraordinário de Energia, Tibúrcio Batista, titular da pasta que é parceira do Proclima.

*Com informações da Semarh.
A+ A-