Empresários lançam projeto para revitalizar a Ribeira

“Ribeira Competitiva” visa mudar o comercio e a estrutura do Bairro, porém alguns empresários reclamam da falta de condiçoes de higiene e preservação.

Geraldo Miranda,
Quando falamos no bairro da Ribeira lembramos logo dos eventos culturais, gastronômicos e boêmios que atravessaram décadas na capital do Rio Grande do Norte. Porém o bairro da Zona Leste vem crescendo e mostrando um potencial que vai além da cultura. Hoje Associação Comercial e Empresarial do Rio Grande do Norte (ACRN) vem buscando revitalizar a Ribeira por meio de convênios, e tentando também junto à administração pública trazer benefícios para os grupos que queiram investir no local.

O coordenador da ACRN, Clauber Araújo, explicou que o grupo vem investindo no treinamento e capacitação de pessoas por meio do programa “Ribeira Competitiva”, que visa melhorar os serviços na localidade, pois segundo informações repassadas pelo mesmo o mercado imobiliário vem crescendo naquela região.

“Nós da ACRN fomos informados que o bairro irá receber aproximadamente 500 imóveis, e esta demanda irá necessitar de um atendimento melhor na farmácia, no posto de gasolina, nos bares e em vários segmentos. Desta forma vamos realizar aqui em nossa sede workshops e reciclagens para capacitar e treinar este atendimento”, explica o diretor.

Clauber Araújo, coordenador da ACRN.

Clauber Araújo informou também que o “Ribeira Competitiva” busca junto ao poder público melhorar os serviços públicos da localidade. “Temos um bom acesso com as secretarias do Município e do Estado, e estamos agora tentando levar os projetos a gente, Eles abrangem os problemas mais comuns que são segurança, estacionamento, iluminação e o problema do lixo”.

Porém o avanço e as boas ideias parecem não ter chegado a alguns locais do antigo bairro. Podemos citar o exemplo da fotógrafa Giovanna Hackradt, que há quinze anos tem um estúdio fotográfico na Rua Chile e vem sofrendo com a sujeira que vem se acumulando pelo esgoto e água servida das empresas pesqueiras próximas de seu estabelecimento.

“É um absurdo a situação que passamos aqui na Rua Chile, pois as empresas pesqueiras tratam os peixes e a água que é utilizada no processo é despejada na Rua deixando um odor insuportável. Já denunciamos a Prefeitura, a Vigilância Sanitária, que manda alguém que aplica a multa, e ninguém resolve o problema. É um verdadeiro absurdo”, diz a empresária.
Foto: Ronaldo Antunes

Além da sujeira a empresária denuncia que muitas empresas não vêm mantendo a fachada original dos imóveis que são tombados como patrimônio histórico dentro da Rua Chile. “Nós mantivemos a arquitetura original do local para não descaracterizar a Rua Chile, que hoje é um patrimônio histórico, mas podemos ver várias empresas que não fazem o mesmo, inclusive a Capitania dos Portos alterou a frente de seu prédio o descaracterizando totalmente”, denúncia.
Foto: Ronaldo Antunes

E após perder vários clientes pelos problemas gerados pela água servida jogada na Rua, a empresária informou com muito pesar que está retirando sua empresa do local por falta de condições. “Decidimos sair da Ribeira, pois depois de denunciarmos essa situação oito vezes e não termos retorno optamos por sair. Ficamos muito desapontadas, pois amamos a Ribeira, mas não dá mais para continuar assim”, diz Giovanna Hackradt.
A+ A-