Chuvas no interior deixam nove açudes com capacidade acima de 50%

Dos 33 reservatórios monitorados pelo Dnocs, dois sangraram nesta semana. Previsão é de novas sangrias nos próximos meses.

Artur Dantas,
Foto: Elpídio Júnior
Barragem de Boa Saúde.
A possibilidade de um inverno rigoroso em 2011, a contar das últimas chuvas caídas em todo o Rio Grande do Norte nos meses de dezembro de janeiro, começa a chamar a atenção dos produtores rurais e moradores do interior do estado. O volume de água em determinadas cidades como Jucurutu e Santa Cruz, para ficar em dois exemplos, demonstra que são grandes as chances de acontecer novas inundações como a registrada em 2008 no Vale do Açu, região onde se cultiva a fruticultura.

Dos 33 açudes monitorados no RN pelo Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), nove apresentam capacidade acima de 50%, inclusive com duas “sangrias” confirmadas nos reservatório de Santa Cruz e Tangará. O volume médio de todas as represas do estado é de 63%. Entre os que apresentam os maiores volumes estão o Inharé, em Santa Cruz, com 72%, e o de Poço Branco e Cruzeta, com 62% e 65%, respectivamente. Os dados foram levantados entre 9 de novembro de 2010 e 28 de janeiro deste ano.

Entretanto, no Itans, em Caicó (50%), Mendubim (Santa Cruz), com 56% da capacidade e Pau dos Ferros, 44%, a situação ainda é estável. Mas no maior reservatório do RN, o Engenheiro Armando Ribeiro Gonçalves, em Assu, com capacidade para 2,4 bilhões de metros cúbicos, a capacidade é de 68%, segundo levantamento publicado no dia 28 de janeiro deste ano pelo Dnocs.

Além do RN, o Departamento contra as Secas, analisa o volume armazenado nos açudes por estado coloca o Rio Grande do Norte abaixo do Maranhão, que tem uma média de volume dos reservatórios de 79%. O Piauí aparece em segundo com 62%, seguido por Ceará com 58% e Pernambuco com 47%. Não há registros até o momento da situação na Paraíba, Alagoas e Sergipe.

Contudo, dos mesmos 33 reservatórios acompanhados pelo Dnocs no RN, apenas 25 são monitorados com uma frequência maior. De acordo com João Guilherme de Souza Neto, supervisor técnico da autarquia, a explicação para o fato é que as áreas próximas de alguns açudes estão inacessíveis em virtude do grande volume de água.

Em outros reservatórios, como no Marechal Dutra, popularmente conhecido como Gargalheiras, em Acarí, o nivelamento é feito por batimetria, um estudo topográfico realizado de forma subaquática. No mais recente levantamento, foi registrado 21,4 milhões de metros cúbicos, equivalente a 53% da capacidade total.

Já na Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), além dos 33 reservatório do Dnocs, estão compilados dados mais recentes da situação dos principais reservatórios do estado, alguns administrados por prefeituras

Situação futura dos reservatórios do RN
O portal Nominuto.com tentou contato com a Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn), por meio do meteorologista Gilmar Bistrot, que não forneceu dados referentes ao volume de chuvas esperado para os próximos meses, em especial da quadra chuvosa no estado.
A+ A-