Aparecida França apresenta proposta para solucionar o problema na ortopedia

Ela descartou a possibilidade de fazer convênio com o Estado.

Ana Paula Oliveira,
Ana Paula Oliveira
Aparecida França descartou a possibilidade de firmar convênio com o Estado
A greve dos hospitais privados nos serviços de trauma-ortopedia, já dura duas semanas, e os impasses continuam. Na manhã desta terça-feira (11), a secretária municipal de Saúde, Aparecida França, descartou a possibilidade de realizar convênio com o Estado para por fim a paralisação. "Já fizemos isso no passado e não deu certo por causa dos atrasos", enfatizou. 

No entanto, ela apresentou uma proposta que pode acabar com o impasse. A solução encontrada, segundo a secretária, seria um repasse de fundo a fundo, ou seja, o dinheiro para o pagamento dos hospitais sairia do fundo orçamentário do Estado direto para a conta do município, o que evitaria atrasos.

“Apresentamos essa proposta desde o dia 5 ao Estado, inclusive, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conasens) avaliou como legal e possível”, afirmou a secretária França. De acordo com ela, o Estado ficou de analisar a legalidade da proposta com sua assessoria jurídica.

Memória
Os hospitais Memorial, Médico Cirúrgico e Itorn, suspenderam desde o dia 5, o atendimento aos pacientes vindos do interior do Estado. Segundo informações passadas pela assessoria da Sesap, a dívida total dos meses de abril, maio e junho é de R$ 651.810,39.
A+ A-