Sobe para 7 o nº de mortos no desabamento do Edifício Andréa, em Fortaleza

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, duas pessoas seguem desaparecidas.

Da redação, Estadão Conteúdo,
Governo do Ceará
Bombeiros buscam vítimas sob os escombros do Edifício Andréa, que desabou na manhã de 15 de outubro.

Subiu para sete o número de mortos no desabamento do Edifício Andréa, em Fortaleza. Nesta sexta-feira (18), as equipes de resgate conseguiram retirar o corpo de Vicente de Paulo Vasconcelos de Menezes, de 86 anos, a última vítima identificada. Duas pessoas seguem desaparecidas e outras sete foram retiradas dos escombros com vida.

Na noite de quinta-feira (17), equipes do Corpo de Bombeiros Militar do Ceará  haviam retirados dos escombros o corpo de Rosane Marques de Menezes, de 56 anos. As demais vítimas são Maria da Penha Bezerril Cavalcante, de 81 anos, Nayara Pinho Silveira, de 31, Antônio Gildasio Holanda Silveira, de 60, Izaura Marques de Menezes, de 81, e Frederick Santana dos Santos, de 30.

Segundo o governo do Ceará, um técnico em ar-condicionado, que estava na lista de desaparecidos, foi localizado na tarde desta sexta. No dia da tragédia, o irmão dele havia se apresentado para informar o desaparecimento do parente e dito que ele poderia estar sob os escombros do edifício. Como foi encontrado, seu nome saiu da lista de procurados.

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará, Luis Eduardo Holanda, afirmou que a fase atual das buscas já permite utilização de maquinários de grande porte. "Isso não quer dizer que não existe possibilidade de ainda resgatar pessoas vivas", disse. "Mas pelos protocolos internacionais, já começamos a fazer uma avaliação de usar maquinário mais pesado e ainda continuar com as buscas técnicas e manuais, com ferramentas de menor impacto, em locais que consideramos mais sensíveis.”

EdificiodesabadoemFortaleza

Nesta sexta, imagens do circuito de segurança mostraram que operários usaram marretas para quebras colunas do Edifício Andréa minutos antes do desabamento. O edifício entrou em reforma um dia antes, para recuperação de pilares e vigas. A obra era orçada em R$ 22 mil.

Moradores relatam que prédio apresentava situação precária há anos. Em entrevista ao Estado, o motorista de aplicativo Leandro Carvalho, filho de Cleide Maria da Cruz, uma das vítimas da tragédia, relatou que frequentava o prédio e percebia as falhas estruturais há pelo menos 14 anos. Janelas tortas e portas que deixavam de fechar devido ao desnível no chão eram alguns indícios do colapso da estrutura, segundo ele.

Resgates

Até o momento, sete pessoas foram resgatadas com vida dos escombros. Dos resgatados, três já tiveram alta. A situação de uma das pacientes não foi divulgada pela família, porém o quadro dos demais é estável.

Fernando Marques, de 20 anos, foi o primeiro resgatado e teve alta ainda na terça-feira. João Ícaro Coelho, de 35, também foi liberado no mesmo dia. Davi Sampaio, de 22, que ficou conhecido após tirar selfie debaixo dos escombros, foi liberado na quarta-feira.

Duas vítimas seguem internadas no Instituto José Frota (IJF). Gilson Moreira, de 58 anos, teve fraturas nas duas pernas e está na sala de recuperação após passar, na quarta, por sua segunda cirurgia. O paciente passará ainda por outra cirurgia, sem previsão de data, para retirar o fixador externo que foi colocado para dar estabilidade ao membro.

Já Cleide Maria da Cruz, de 60 anos, está internada na enfermaria e apresenta boa evolução clínica. Ainda não há previsão de alta para nenhum dos dois.

Francisco Rodrigues Alves, de 59 anos, seria transferido para o IJF, mas foi encaminhado para o Hospital Zilda Arnes, onde apresenta quadro estável. Antônia Peixoto, de 72, foi atendida inicialmente pelo IJF e tinha situação complicada, com trauma craniano e torácico. Ela foi transferida para o Hospital Otoclínica, da rede particular, e seus familiares não autorizaram divulgar o seu estado de saúde.

A superintendente do IJF, Riane Azevedo, afirma que unidade está preparada para receber novas vítimas que possam ser resgatadas com vida. As buscas seguem pelo quarto dia consecutivo. 

Veja quem são os mortos no desabamento do Edifício Andréa, em Fortaleza

  • Frederick Santana dos Santos, de 30 anos
  • Izaura Marques Menezes, de 82 anos
  • Antônio Gildasio Holanda, de 60 anos
  • Nayara Pinho Silveira, de 31 anos
  • Maria da Penha Bezerril Cavalcante, de 81 anos
  • Rosane Marques de Menezes, de 56 anos
  • Vicente de Paulo Vasconcelos de Menezes, de 86 anos

Tags: Desabamento em Fortaleza Tragédia no Ceará
A+ A-