Presidente diz que países africanos podem se tornar exportadores de biocombustíveis

Lula disse que a aproximação com a África faz parte da estratégia do Brasil de procurar novos mercados.

Agência Brasil,
Ricardo Stuckert/PR
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cumprimenta o presidente de Burquina Fasso, Blaise Compaoré
Os países africanos podem se tornar exportadores de biocombustíveis para os países desenvolvidos. A avaliação é do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defendeu nesta segunda-feira (22) também o aumento das relações comerciais do Brasil com a África. "Estamos discutindo com vários países africanos a chance que eles têm de, através dos biocombustíveis, começarem a se transformar em exportadores de um produto que o mundo rico certamente vai precisar", disse.

O presidente ressaltou que, para os países africanos crescerem, é preciso que consolidem a democracia. "Consolidar a paz e consolidar a democracia são ingredientes que permitirão outros países fazerem investimentos, indústrias se implantarem lá", afirmou.

Lula disse que a aproximação com a África faz parte da estratégia do Brasil de procurar novos mercados. "Estabelecemos uma estratégia de nos aproximar da África outra vez por várias razões, desde os compromissos históricos que nós temos com os países africanos até a necessidade de você estabelecer uma relação econômica, cultural, política, de transferência de conhecimento científico e tecnológico para ajudar os países africanos a se desenvolverem", afirmou.

"É, por isso, que nós abrimos em Gana uma seção da Embrapa e estamos abrindo em Maputo, em Moçambique, um escritório da Fiocruz, para que a gente possa começar a tornar realidade a nossa troca de conhecimentos", completou.

Segundo o presidente, assim como faz com a África, o Brasil pretende intensificar a troca comercial com outros países. "O Brasil precisa procurar novos parceiros. Eu, o ano que vem, por exemplo, vou à Indonésia. E por que eu vou à Indonésia? É um país de 210 milhões de habitantes em que o Brasil tem uma balança comercial de apenas US$ 1 bilhão, o que é uma vergonha", disse.

"Vamos continuar fazendo isso, porque o Brasil não pode ficar dependendo de um país ou de um grupo de países. O Brasil precisa fazer uma diversificação muito grande na sua relação política, na sua relação comercial, para que a gente possa viver a situação que estamos vivendo hoje. Uma situação de tranqüilidade em que o Brasil vende para muitos países, compra de muitos países. E o Brasil tem poder de competitividade com qualquer economia do mundo", ressaltou Lula.

Na semana passada, o presidente visitou quatro países africanos, em sua sétima viagem ao continente. Acompanhado de empresários dos setores de energia, construção, indústria aeronáutica e finanças, Lula visitou Burkina Faso, República do Congo, África do Sul e Angola.

Leia a íntegra do Café com o Presidente.
A+ A-