Operação Carranca da Polícia Federal já realizou 16 prisões

Os acusados estão na carceragem da Polícia Federal e já estão sendo interrogados. Os presos ficarão à disposição do juiz da 8ª Vara Federal da cidade de Arapiraca, interior do estado.

Agência Brasil,
Brasília - A Polícia Federal (PF) iniciou nesta segunda-feira (12), em Alagoas, a Operação Carranca para prender uma quadrilha especializada em fraudar licitações de obras públicas no estado. Ao todo 16 pessoas já foram presas e 51 mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

De acordo com o delegado Joacir Avelino, um dos responsáveis pela investigação, os acusados estão na carceragem da Polícia Federal e já estão sendo interrogados. Os presos ficarão à disposição do juiz da 8ª Vara Federal da cidade de Arapiraca, interior do estado.

O delegado afirma também que, durante o cumprimento dos mandados de busca, a PF apreendeu computadores e documentos. “Esse material está sendo analisado por técnicos da Controladoria-Geral da União (CGU)”, disse Avelino que é superintendente da PF em Alagoas.

“A Carranca é muito comum no Rio São Francisco, ela é utilizada por pescadores e barqueiros. É uma espécie de estátua utilizada para espantar os maus espíritos e nós fazemos essa alusão [ao escolher o nome para a operação] porque queremos espantar os corruptos aqui do estado”, esclareceu.

Segundo Avelino, as fraudes podem chegar a R$ 20 milhões e envolvem recursos dos ministérios da Saúde, do Turismo, da Integração Nacional, das Cidades, da Educação e do Desenvolvimento Agrário.

De acordo com a assessoria de comunicação da Polícia Federal, os acusados serão indiciados pelos crimes de peculato, corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, fraude em licitações, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Se condenados, as penas podem chegar a 40 anos de prisão.

A ação é resultado dos trabalhos da força-tarefa composta pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e Controladoria-Geral da União.
A+ A-