Estratégia contra a febre aftosa será debatida em Buenos Aires

Encontro será organizado pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação.

Agência Brasil,
Estratégia para erradicar a febre aftosa na América do Sul será tema de debate do encontro organizado pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e Organização Mundial para a Saúde Animal (OIE) a partir da próxima terça-feira (28) em Buenos Aires. O encontro vai até sexta-feira (31).

De acordo com a assessoria da FAO, a estratégia se baseia em oito linhas de ação como melhorar os sistemas de prevenção, fortalecer os sistemas nacionais de informação e a rede de laboratórios de diagnóstico da doença.

Participarão do encontro os organismos internacionais membros do Programa Mundial da FAO/OIE para o Controle Progressivo das Enfermidades Transfronteiriças (FG-TADs) e organismos dos países da região.

O Conselho Nacional dos Secretários de Agricultura (Conseagri) defendeu em reunião realizada no dia 17 a integração e cooperação entre os órgãos governamentais como mais uma arma para enfrentar os problemas sanitários de rebanhos e lavouras brasileiros. O tema foi discutido por 21 secretários estaduais de agricultura, na reunião que elegeu o representante de Minas Gerais, Gilman Rodrigues, presidente do conselho.

“O Conselho não tem nenhuma aptidão de discordar ou apenas ficar contra, mas no sentido de colaborar para trazer um atendimento mais dinâmico às demandas que o setor tem. Nós precisamos ter uma leitura mais rápida dos problemas que gere uma solução também mais rápida e dinâmica”, defendeu Rodrigues.

O secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Inácio Kroetz, participou como convidado da reunião. Ele disse que a integração dos estados, ministério e produtores é importante para solucionar os problemas e melhorar o desempenho do setor.

“Que nós possamos ter uma estrutura capaz de mitigar o risco de quando uma doença acontecer, ela seja rapidamente identificada, diagnosticada e erradicada, para que não possa fazer tantos prejuízos quanto tem causado até agora”, disse.
A+ A-